UNIDADES CURRICULARES ECTS

Objetivos de aprendizagem:

A Unidade Curricular de Anatomofisiologia pretende fornecer bases de conhecimento sobre o funcionamento dos aparelhos e sistemas que constituem o organismo humano, nomeadamente os sistemas músculo-esquelético, cardiovascular, respiratório, digestivo, urinário, reprodutor, nervoso e endócrino. O estudo desta disciplina deverá permitir ao aluno a aquisição de conhecimentos relativos à anatomia do corpo humano e suas implicações funcionais: dominar a terminologia anatómica, localizar e relacionar estruturas anatómicas e descrever a sua acção na manutenção da homeostasia corporal.

Conteúdos programáticos:

Organização do Corpo humano. Planos de referência. Sistema Esquelético: descrição dos ossos do esqueleto. Desenvolvimento e Crescimento ósseo. Tipos de articulações. Sistema Muscular: descrição dos músculos. Fisiologia do músculo esquelético, liso e cardíaco. Fontes de energia. Sistema Cardiovascular: Anatomia do coração. Vasos Sanguíneos. Circulação Pulmonar e Sistémica. Sistema Linfático. Sistema Respiratório: Funções e anatomia. Trocas gasosas. Transporte de gases no sangue. Sistema Digestivo: Anatomia e Fisiologia. Sistema Urinário: Anatomia e Fisiologia. Produção de urina. Regulação da concentração e volume de urina. Sistema reprodutor: Anatomia e fisiologia dos aparelhos reprodutores masculino e feminino. Sistema Nervoso: Divisões do Sistema Nervoso. Sinapses. Sistema Nervoso Central e Periférico. Nervos cranianos. Sistema Nervoso Autónomo. Sistema Endócrino: Hormonas. Controle da secreção hormonal. Mecanismos de ação e receptores hormonais. Glândulas endócrinas.

Demonstração da coerência dos conteúdos programáticos com os objetivos de aprendizagem da unidade curricular:

A construção dos conteúdos programáticos, com a abordagem dos aspetos morfológicos e funcionais do organismo humano, contando com informação teórica e teórico-prática dos temas abordados, incluindo a utilização de recursos didáticos apropriados, como vídeos e manipulação de modelos anatómicos, devidamente adequada ao processo de aprendizagem da disciplina de Anatomofisiologia Humana no plano curricular de Análises Clínicas e Saúde Pública.

Metodologias de ensino (avaliação incluída):

A metodologia de ensino conta com a utilização de recursos didáticos, como material em power-point, e com a pesquisa livre em fontes bibliográficas adequadas, com o objetivo da resolução de problemas propostos.
A componente teórica e prática serão avaliadas separadamente, sendo obrigatória a aprovação a ambas. Serão realizados 2 testes teóricos para a avaliação teórica e 2 testes práticos e 1 apresentação oral para a avaliação prática. A média final é construida com 80% da componente teórica e teórico-prática e 20% da componente prática.
O aluno é considerado "Aprovado" com classificação igual ou superior a 09,50 valores

Demonstração da coerência das metodologias de ensino com os objetivos de aprendizagem da unidade curricular:

Os objetivos da unidade curricular são alcançados pela utilização da metodologia referida uma vez que a componente expositiva confere uma orientação na sistematização do estudo e a exercitação prática promove a aplicação prática dos conceitos e das teorias estudadas no âmbito da unidade curricular.

Bibliografia:

Seeley, R, Stephens, T. & Tate, P., 2011, Anatomia & Fisiologia, Lusodidacta, 8ª ed., Portugal.
Guyton, A. & Hall, J., 2006, Textbook of Medical Physiology, 11th ed., Elsevier Saunders, USA .

Objetivos de aprendizagem:

OA
1. Reconhecer a importância de um modelo.
2. Analisar os modelos estudados.
3. Entender e analisar uma variação exponencial.
4. Aplicar as variações exponenciais na explicação de fenómenos com interesse clínico.
5. Entender um fenómeno de regulação.
6. Analisar processos de regulação.
7. Aplicar a nomenclatura da regulação à regulação da glicémia
8. Saber explicar a regulação da temperatura corporal..
9. Saber explicar processos simples de transporte de matéria
10. Reconhecer os processos de transporte inerentes a fenómenos fisiológicos e técnicas laboratoriais.
11. Reconhecer as propriedades do sangue como um fluido.
12. Aplicar os conceitos físicos de hidrodinâmica à circulação sanguínea.
13.Entender e explicar estados de alteração à dinâmica circulatória normal.
14. Explicar os mecanismos do impulso nervoso e os aspectos biofísicos simples a ele associados.

Conteúdos programáticos:

CP1 - A biofísica, seus objectivos e métodos.
CP2 - Regulação e controlo e homeotermia.
1.4. Estados de alteração da temperatura corporal.
CP3 – Fenómenos de transporte
3.1. Transporte passivo: difusão e osmose
3.2. Transporte activo: sedimentação e centrifugação, transporte ativo pelas membranas.
CP4 - Dinâmica de fluidos e a circulação sanguínea
4.1. Coração e trabalho cardíaco. Pressão e débito.
4.2. A pressão do sangue e suas consequências
4.3. Estados de alteração da dinâmica circulatória
CP5 - O impulso eléctrico e o fluxo nervoso

Demonstração da coerência dos conteúdos programáticos com os objetivos de aprendizagem da unidade curricular:

CP1 - A biofísica, seus objectivos e métodos.
1. 1. e 1.2 - Visa atingir OA1 e OA2.
1. 3. Visa atingir OA3 e OA4
CP2 - Regulação e controlo
2.1. a 2. 4 - Visa atingir OA5, OA6 e OA7
2.4. - Visa atingir OA8
CP3 – Fenómenos de transporte
3.1 e 3.2 – Visa atingir OA9 e OA10
CP4 - Dinâmica de fluidos e a circulação sanguínea
4.1. - Visa atingir OA11
4.1. a 4.2. - Visa atingir OA11
4.2. Visa atingir OA12
4.3 a 4.4. - Visa atingir OA13
CP6 - Visa atingir OA1, OA14

Metodologias de ensino (avaliação incluída):

M1 - Utilização da plataforma de e-learning para armazenar material didático que será disponibilizado ao aluno.
M2 - O material disponibilizado servirá de apoio para os estudos baseados em problemas que se introduzirá como ferramenta de ensino-aprendizagem.
M3 - Atividades de pesquisa autónoma que serão baseadas em questões de desenvolvimento e pesquisa.
M4 - Desenvolvimento de actividades de síntese dos conteúdos básicos, após exposição oral, onde os alunos terão um envolvimento pro-ativo.
M5 - Recorrer-se-á, ainda, à utilização de vídeos de para a visualização continua dos fenómenos de transporte para promover um melhor entendimento dos processos.
Avaliação
Duas provas de avaliação sumativa (50% cada da classificação final). Na avaliação sumativa estará incluída uma prova cognitiva (questão aberta que demonstre a compreensão por parte do aluno sobre a relevância do conteúdo para os aos domínios das análises clínicas).

Demonstração da coerência das metodologias de ensino com os objetivos de aprendizagem da unidade curricular:

M1 - Utilização da plataforma de e-learning para armazenar material didático que será disponibilizado ao aluno.
Para a prossecução de todos os objetivos.
M2 - O material disponibilizado servirá de apoio para os estudos baseados em problemas que se introduzirá como ferramenta de ensino-aprendizagem.
Para a prossecução dos OA3 a OA6;
M3 - Atividades de pesquisa autónoma que serão baseadas em questões de desenvolvimento e pesquisa.
Para a prossecução dos OA1, OA 2 e OA13
M4 - Desenvolvimento de actividades de síntese dos conteúdos básicos, após exposição oral, onde os alunos terão um envolvimento pro-ativo.
Para a prossecução de todos os objetivos.
M5 - Recorrer-se-á, ainda, à utilização de vídeos de para a visualização continua dos fenómenos de transporte para promover um melhor entendimento dos processos.
Para a prossecução de OA9 e OA10

Bibliografia:

Franklin, K., Muir, P., Scott , T., Yates P. (2019). Introduction to Biological Physics for the Health and Life Sciences (2nd Ed.). John Wiley & Sons Inc, New York, United States. ISBN10 1118934504.
Gomes, L.R.; Biofísica para Ciências da Saúde, Ed. Universidade Fernando Pessoa, 2012.
Félix M. Goñi. The basic structure and dynamics of cell membranes: An update of the
Singer–Nicolson model. Biochimica et Biophysica Acta 1838 (2014) 1467–1476.
Roland Glaser. Biophysics: An Introduction. Springer, 2nd ed. 2012.
Hobbie, Russell K., Roth, Bradley J. Intermediate Physics for Medicine and Biology. Springer, 2015. ISBN 978-3-319-12682-1

Objetivos de aprendizagem:

Esta unidade curricular explora as estruturas básicas e os processos fundamentais da vida a nível molecular e celular. Ao nível dos conhecimentos, visa proporcionar uma melhor compreensão sobre a complexidade molecular, estrutural e funcional da célula, o seu funcionamento articulado em organismos multicelulares e a importância de mecanismos de proteção endógenos para a manutenção da homeostasia celular e do organismo. Ao nível das competências visa proporcionar capacidade para: compreender e reconhecer a importância relativa da célula na saúde e na doença. Ao nível das aptidões visa proporcionar competências práticas na área da análise e validação de informação técnico-científica no domínio das ciências da terra e da vida, e desenvolvimento contínuo dos conhecimentos. Globalmente, o processo de aprendizagem confere competências para o futuro profissional reconhecer e entender o papel da célula na saúde e na doença em áreas de intervenção clínica ou de investigação.

Conteúdos programáticos:

Componente teórica: Ligações químicas; Estrutura e função de moléculas inorgânicas: água e sais minerais; Estrutura e função das biomoléculas: ácidos nucleicos, proteínas, hidratos de carbono e lípidos; Células procarióticas e células eucarióticas; Organelos celulares: ultraestrutura e fisiologia; Biomembranas: estrutura, funções, transporte transmembranar; Replicação do DNA e síntese proteica; Ciclo celular: mitose e meiose; Morte celular programada; Vírus e priões.
Componente prático-laboratorial: Caracterização de aminoácidos e proteínas; Isolamento de proteínas; Análise experimental da relação estrutura-função (enzimas); Testes qualitativos para identificação de hidratos de carbono; Elaboração e observação de preparações extemporâneas de tecidos vegetais e de tecidos animais; Estudo morfológico e estrutural de células procarióticas; Isolamento de organelos celulares e estudo da permeabilidade de biomembranas.

Demonstração da coerência dos conteúdos programáticos com os objetivos de aprendizagem da unidade curricular:

A parte teórica está dividida em várias secções: são descritos os níveis de organização biológica, de modo a permitir reconhecer que o mundo vivo se apresenta hierarquicamente estruturado; é apresentada a célula como unidade estrutural e funcional de todos os seres vivos: caracterização a nível molecular, estrutural e funcional; é estudada a sequência de acontecimentos que caracterizam a síntese proteica e o ciclo celular; são descritos a nível estrutural e funcional seres acelulares.
A parte prática explora a utilização da microscopia ótica na diferenciação de organismos e estruturas subcelulares; aspetos estruturais e funcionais de proteínas e hidratos de carbono; aplicação de técnicas básicas no isolamento de organelos.

Metodologias de ensino (avaliação incluída):

Componente teórica: exposição, de forma descritiva e integrada, dos conceitos, teorias e mecanismos subjacentes aos conteúdos programáticos estabelecidos no programa teórico da disciplina, e de forma articulada com a bibliografia adotada. A aprovação será certificada através da realização de dois testes escritos (classificação média de, pelo menos, 10/20 valores; ponderação de 75% da nota final da unidade curricular). A não aprovação em avaliação contínua remete o aluno para a realização de exame no final do semestre.
Componente prático-laboratorial: utilização de metodologias de natureza experimental. A aprovação à componente prática será certificada através da realização de 2 teste teórico-práticos. A aprovação à componente prática implica a obtenção de, pelo menos, 10/20 valores (ponderação de 25% na nota fina da unidade curricular).

Demonstração da coerência das metodologias de ensino com os objetivos de aprendizagem da unidade curricular:

Componente teórica: Visa a aquisição do conhecimento técnico-científico geral e específico desta UC, bom nível de comunicação escrita e uma boa capacidade de relacionamento de conceitos.
Componente prático-laboratorial: Visa melhorar a compreensão e aprofundar o conhecimento técnico-científico do aluno sobre tópicos específicos do programa, bem como melhorar a capacidade de operacionalidade, quer nos processos de organização e execução do trabalho quer do raciocínio laboratorial.

Bibliografia:

1. 1. ALBERTS B, BRAY D, HOPKIN K, JOHNSON D, LEWIS J, RAFF M, ROBERTS K, WALTER P. Fundamentos da Biologia Celular. Artmed Editora, 4ª Edição, 2017. ISBN: 9788582714058 (existe 2ªedição de 2006)
2. SUNKEL CE, AZEVEDO C. Biologia Molecular e Celular, Lidel eds. Técnicas, 5ª Edição, 2012 ISBN: 9789727576920 (existe 4ª edição, 2010)
3. QUINTAS A, FREIRE AP, HALPERN MJ. Bioquímica: Organização molecular da vida, Lidel, 2008 ISBN: 9789727574315
4. COELHO MJ, PEREIRA S. Manual de trabalhos laboratoriais de apoio à componente prática da UC, 2021
5. MURRAY RK, GRANNER DK, RODWELL VW. Harpers’s Illustrated Biochemistry – Lange Medical Books/McGraw-Hill, 30th ed 2015 ISBN: 9780071825344 (existe a 27th ed, 2006) 7. ALBERTS B, JOHNSON A, LEWIS J, MORGAN D, RAFF M, ROBERTS K, WALTER P. Molecular Biology of the Cell. Garland Science, 5th Edition, 2014. ISBN: 9780815344322 (existe a 4ª edição, 2002)

Objetivos de aprendizagem:

Dar a conhecer as ferramentas básicas indispensáveis para orientação de um leque variado de situações relacionadas com a saúde humana que ocorrem no dia a dia e que devem aprender independentemente do seu campo de actuação. Tem ainda como objectivo ensinar as atitudes que deverão saber executar na sua missão de promover a saúde no seu todo, adquirindo nomeadamente as seguintes competências:
- Saber efectuar medidas básicas de socorrismo adequadas às situações emergentes mais usuais.
- Reconhecer o material indicado para as diferentes situações.
- Desenvolver estratégias de comunicação

Conteúdos programáticos:

Esta disciplina visa dotar os futuros profissionais de saúde com conhecimentos básicas sobre saúde em geral, de modo a que possam tomar as atitudes necessárias para enfrentar situações correntes, na sua missão de promover a saúde no seu todo. Tópicos: noções gerais de socorrismo; suporte básico de vida; gestos relacionados com o diagnóstico; gestos relacionados com o tratamento: gestos relacionados com situações específicas do dia-a-dia profissional; DST; Medidas Universais de Protecção; relações humanas, técnicas de comunicação, ética, deontologia.

Demonstração da coerência dos conteúdos programáticos com os objetivos de aprendizagem da unidade curricular:

O conteudo programático desta disciplina pretende disponibilizar conhecimentos que permitam utilizá-los pelos discentes na sua futura atividade profissional

Metodologias de ensino (avaliação incluída):

Escrita + Expositiva + Qualitativa/Quantitativa

Demonstração da coerência das metodologias de ensino com os objetivos de aprendizagem da unidade curricular:

Utilizando uma metodologia assente numa aprendizagem prática e uma avaliação contínua dos conhecimentos, os alunos ficam aptos a aplicar esses conhecimentos da sua futura atividade profissional

Bibliografia:

1. Carneiro AV. Técnicas Médicas Essenciais. Lidel 1999.
2. Carneiro AH, Nunes F, Lopes G, Santos LA, Campello G. Manual de Suporte Básico de Vida. Edição do Conselho Português de Ressuscitação, 2004.
3. European Ressuscitation Council (2006). Basic Life Support & Automated external Desfibrillation. 2ª Edição
4.Harrison. Medicina Interna. 16ª Edição (tradução brasileira). McGraw Hill, 2006.
5. Merck Manual, Merck Sharp and Dohme, 2006
6.Way KW, Doherty GM. Cirurgia. Diagnóstico e Tratamento. 11ª Edição (tradução brasileira). McGraw Hill e Guanabara Koogan 2003.
7. Cline B. Emergências Médicas. McGraw Hill, 2000.
8. Serra, L. (2001). Critérios Fundamentais em Fracturas e Ortopedia. 2ª Edição. Lidel.
9. Website: www.erc.edu
10. Material fornecido pelos docentes

Objetivos de aprendizagem:

Pretende-se que o aluno domine as técnicas de investigação e de produção com vista à correcta execução do trabalho científico e desenvolva competências estruturantes de natureza teórico-prática que lhe permitam conhecer e aplicar estruturas discursivas utilizáveis na sua área de formação.
Para dotar os alunos das competências específicas a desenvolver no âmbito desta unidade curricular, existe uma correspondência direta entre os conteúdos de cada capítulo lecionado e as competências específicas a desenvolver.

Conteúdos programáticos:

I - A terminologia médica
1.1. Objeto, conceito, termo
1.2. Importância e características da terminologia médica
1.3. Termos médicos e respetivos constituintes
1.4. Tipos de termos médicos
1.5. Etimologia dos constituintes que integram os termos médicos
1.6. Processos de formação de palavras
II – Metodologia do trabalho científico
1.O texto científico
1.1 – Bases de dados
1.2. O plágio
1.3. Etapas de um trabalho científico
1.4. Recolha de informação
1.5. Fichas de leitura
1.6. Normas para a elaboração de uma referência bibliográfica
1.7. Plano de trabalho e organização da informação recolhida
1.8. Redação (linguagem, citações, notas de rodapé)

Demonstração da coerência dos conteúdos programáticos com os objetivos de aprendizagem da unidade curricular:

Os conteúdos programáticos incidem na eficaz aquisição e utilização da terminologia médica bem como na metodologia do trabalho científico com vista à produção textual.

Metodologias de ensino (avaliação incluída):

Desenvolver-se-ão diferentes atividades de leitura, escrita, compreensão e produção discursivas inerentes ao desenvolvimento da competência de comunicação, direcionado para a área de formação dos alunos.
Avaliação
2 frequências (50% + 50%)

Demonstração da coerência das metodologias de ensino com os objetivos de aprendizagem da unidade curricular:

As metodologias propostas estão em coerência com os objetivos formulados para a unidade curricular dado que apostam no desenvolvimento de estudo orientado e na participação ativa do aluno de modo a que este experimente e adquira ferramentas que otimizem a sua expressão no campo da comunicação científica e da terminologia específica do curso.
Pretende-se o desenvolvimento das capacidades produtivas, críticas, relacionais e avaliativas de questões gerais.

Bibliografia:

Cohen, B. J., & Jones, S. A. (2021). Medical Terminology: An Illustrated Guide: An Illustrated Guide. Jones & Bartlett Learning.
Dicionário de Termos Médicos (2020). https://www.infopedia.pt/dicionarios/termos-medicos
Dicionário de Língua Portuguesa (2020) https://www.infopedia.pt/dicionarios/lingua-portuguesa
Collins, C. Edward (2008). A Short Course in MedicalTerminology. Philadelphia, Wolters Kluwer Health / Lippincott Williams &Wilkins.
Lopes, E. J. M. (2016). “Plágio”. In Dicionário Crime,Justiça e Sociedade. Lisboa: Sílabo: 362-364. Manual de elaboração de trabalhos científicos da Universidade Fernando Pessoa. [Em linha]. Disponível em http://ufp.ufp.pt.[Consultado em 11/09/2014].
Pitney, W. P., J, M., S, P., K. (2020), Qualitative Research in the Health Professions. Chicago: Slack Incorporated.
Severino, A. (2000). Metodologia do trabalho científico. SãoPaulo, Cortez.

Objetivos de aprendizagem:

Desenvolvimento da competência linguística e comunicativa dos alunos com o objectivo de assegurar uma comunicação eficaz numa pluralidade de situações sócio-profissionais. Consolidação de estruturas gramaticais e padrões previamente adquiridos. Identificação, crítica, comentário e produção de vários tipos de texto, através do desenvolvimento das capacidades de ouvir, compreender, analisar, discutir e resolver problemas em inglês. Desenvolvimento das capacidades críticas e reflexivas dos alunos, através de uma aprendizagem e gestão autónomas.

Conteúdos programáticos:

1. Situações socioprofissionais
1.1. Socialização
1.2. Viagens
1.3. Importância do inglês na área da saúde
2. Saúde
2.1. Ambiente Hospitalar
2.2. Corpo Humano
2.3. Problemas de Saúde
2.4. Diálogos Médico-paciente
3. Trabalho de Projeto

Demonstração da coerência dos conteúdos programáticos com os objetivos de aprendizagem da unidade curricular:

Os items temáticos dos conteúdos programáticos visam como competências genéricas que os alunos comuniquem, compreendam e produzam mensagens em língua inglesa, tanto em contextos sociais, como profissionais, devendo ser capazes de utilizar a língua inglesa num conjunto de situações reais. Para este efeito, nesta unidade curricular, os estudantes são incentivados a adoptar uma atitude introspetiva e reflexiva, tendo em conta a realidade social e profissional na área da saúde.
É objetivo da unidade curricular levar os estudantes a melhorar as suas competências comunicacionais em inglês, de modo a que consigam utilizar esta língua na realização de diversos contactos interpessoais, em diferentes contextos socioprofissionais, de forma a permitir o desempenho profissional em contexto internacional. Com a componente de 'Trabalho de Projeto', pretende-se melhorar o trabalho de equipa, com utilização de uma segunda língua, especificamente em inglês.

Metodologias de ensino (avaliação incluída):

Aulas teórico-práticas, com ênfase nas competências instrumentais: dialogar, ouvir, ler, compreender e produzir mensagens em língua inglesa. Avaliação contínua OU exame. A avaliação contínua é constituída por dois testes escritos e por um trabalho oral, a apresentar no final do semestre. A nota final resulta da ponderação das várias prestações escritas e orais do estudante, bem como da sua participação nas actividades propostas. O exame é constituído por 2 partes: escrito e oral. A oral é obrigatória sempre que o aluno obtiver 7,5 ou mais na componente escrita.

Demonstração da coerência das metodologias de ensino com os objetivos de aprendizagem da unidade curricular:

De forma a potenciar as competências específicas dos estudantes, a metodologia adoptada (com ênfase na avaliação contínua de conhecimento) incentiva as aquisições de tipo instrumental, designadamente comunicar oralmente e por escrito, identificar e compreender mensagens, utilizando a língua inglesa num conjunto de situações socioprofissionais, bem como no acesso ao conhecimento.
As metodologias eminentemente práticas desta disciplina têm como objetivo levar os alunos a interpretar circunstâncias e fenómenos comunicacionais relativos aos diferentes contextos culturais e linguísticos, adquirindo experiência na recolha, identificação e interpretação de informação proveniente de diferentes contextos culturais, desenvolver deste modo a autonomia de trabalho em diferentes contextos culturais, levando a uma maior compreensão e adaptação a diferentes ambientes culturais em que a comunicação seja efectuada em língua inglesa.

Bibliografia:

Eastwood, J. (2011). Oxford Practice Grammar – Intermediate. Oxford, Oxford University Press.
Glendinning, E.H. & Howard, R. (2007). Professional English in Use: Medicine. Cambridge, Cambridge University Press.
Glendinning, E.H. & Holmström, B. (2005). English in Medicine – 3rd Edition. Cambridge, Cambridge University Press.
Grice, T. (2007).Oxford English for Careers: Nursing 1. Oxford, Oxford University Press.

UNIDADES CURRICULARES ECTS

Objetivos de aprendizagem:

A Bioestatística propõe-se introduzir e desenvolver o conhecimento de técnicas de análise estatística, apresentando exemplos relevantes e situações realistas para ilustrar os conceitos. Procura-se ainda desenvolver no aluno o espírito crítico e de análise, relativamente aos resultados obtidos, de forma a estabelecer o grau de confiança nos mesmos.

Conteúdos programáticos:

Conceitos estatísticos básicos. Estatística descritiva: classificação de variáveis, distribuições de frequência, medidas de tendência central, de partição, de dispersão, de assimetria e de curtose. Correlação e Regressão linear. Variáveis aleatórias discretas e contínuas, função massa de probabilidade, densidade de probabilidade e de distribuição. Algumas distribuições de probabilidade teóricas para v.a. discretas e contínuas. Estimação por intervalo de confiança: valor médio, variância, proporção populacional, RR e OR. Dimensionamento de amostras. Ensaios de hipóteses paramétricos e não paramétricos: procedimento envolvido em ensaios de hipóteses, análise de erros, testes mais comuns.

Demonstração da coerência dos conteúdos programáticos com os objetivos de aprendizagem da unidade curricular:

A Bioestatística é um instrumento auxiliar da investigação científica em saúde. Os conteúdos programáticos selecionados são os de análise de dados exploratória e de inferência de qualquer investigação quantitativa, necessários para interpretar os resultados dos artigos de investigação e apresentar os seus próprios resultados.

Metodologias de ensino (avaliação incluída):

Exposição e explicação oral dos conteúdos programáticos, com o apoio de meios audiovisuais.
Apelo a uma participação ativa por parte dos alunos, através de uma metodologia interrogativa.
Resolução de exercícios e leitura crítica de artigos.
A percentagem mínima de frequência das aulas teórico-práticas desta unidade curricular é de 50%, de acordo com o Regulamento Pedagógico em vigor na UFP.
A avaliação é periódica com dois testes, ambos com uma ponderação de 50%.
As datas das provas de avaliação serão marcadas no início do semestre.
A falta de comparência a uma prova de avaliação implica a classificação de zero para efeitos de cálculo da classificação final e a não atribuição dos ECTS da unidade curricular.
Os alunos que em avaliação contínua apresentem classificação final inferior a 10 valores são considerados não aprovados e têm direito a realizar um exame de fim de semestre e um exame de recurso, de toda a matéria da unidade curricular, em data a estipular pela UFP.

Demonstração da coerência das metodologias de ensino com os objetivos de aprendizagem da unidade curricular:

As metodologias de ensino-aprendizagem desta unidade curricular foram programadas de forma a potenciar os conceitos apreendidos. Deste modo, numa fase inicial, a exposição e explicação oral possibilitam a abordagem e compreensão dos conteúdos programáticos. As aulas privilegiam os métodos ativos e participativos, com vista a manter a atenção dos alunos e a desenvolver a sua capacidade crítica. A resolução de exercícios conduz a uma maior motivação dos alunos na aplicação e consolidação dos conhecimentos adquiridos. O apelo ao sentido crítico dos alunos na análise dos resultados potencia a sua capacidade de interligar os conhecimentos e interpretar adequadamente os resultados obtidos. A leitura crítica de artigos, com foco nas secções de materiais e métodos e de resultados, permite perceber como se escreve sobre os métodos de análise de dados e como se interpreta o resultado desses métodos através dos indicadores estatísticos obtidos.

Bibliografia:

[1] Daniel, WW; Cross, CL (2013) Biostatistics: A Foundation for Analysis in the Health Sciences, 10th ed., John Wiley and Sons.
[2] Dawson, B; Trapp, RG (2004) Basic & Clinical Biostatistics, 4th ed., Lange Basic Science – McGraw-Hill. [Dawson, B; Trapp, RG (2003) Bioestatística Básica e Clínica, 3ª ed., McGraw-Hill.]
[3] Schork, MA; Remington, RD (2000) Statistics with Applications to the Biological and Health Sciences, 3th ed., Prentice Hall.
[4] Gouveia de Oliveira, A (2014) Bioestatística Descodificada – Bioestatística, Epidemiologia e Investigação, 2ª ed., LIDEL.
[5] Loura, LCC; Martins, MEG (2012) Dossiê XIII - Estatística Descritiva com Excel – Complementos. ALEA - Instituto Nacional de Estatística. http://www.alea.pt/html/statofic/html/dossier/doc/dossie13a.pdf.

Objetivos de aprendizagem:

A unidade curricular visa o estudo dos principais processos metabólicos e a comunicação celular, assim como o relacionamento dos vários orgãos envolvidos na manutenção do equilíbrio metabólico do nosso organismo. Pretende-se que os alunos compreendam os aspectos fundamentais da Bioquímica e do metabolismo das principais biomoléculas e da (bio)química e fisiologia do sistema endócrino. Introduzir-se-ão algumas situações clínicas relacionadas com as várias vias metabólicas estudadas, procurando-se sempre desenvolver nos alunos o espírito crítico e de análise de problemas.

Conteúdos programáticos:

Programa Teórico-Prático: Metabolismo: metabolismo dos hidratos de carbono, metabolismo lipídico, metabolismo dos aminoácidos, inter-relações metabólicas; Digestão e absorção gastrointestinal; Sistema endócrino.
Programa Prático: realização de diversos trabalhos laboratoriais de aplicação dos vários conceitos teóricos que visam a aprendizagem de técnicas de identificação, isolamento, caracterização, separação e quantificação de vários tipos de moléculas.

Demonstração da coerência dos conteúdos programáticos com os objetivos de aprendizagem da unidade curricular:

Os conteúdos programáticos que integram a unidade curricular vão de encontro às necessidades que são estabelecidas nos objetivos. A unidade curricular visa o estudo dos principais processos metabólicos, assim como do relacionamento entre os órgãos envolvidos na manutenção do equilíbrio metabólico. Os alunos deverão ter capacidade de compreensão e aquisição de conhecimentos na área da Bioquímica estrutural e metabólica e do sistema endócrino.
Pretende-se também que os alunos adquiram e desenvolvam competências empíricas ao contactar com novas metodologias laboratoriais.

Metodologias de ensino (avaliação incluída):

Nas aulas teórico-práticas procede-se à exposição dos conceitos teóricos relevantes e orientação do estudo dos alunos. As aulas teórico-práticas incluem ainda a discussão detalhada, com resolução de exercícios, sobre os principais temas, incluindo a análise de doenças de metabolismo, seus sintomas e relação com a(s) causa(s), e tratamentos possíveis. É utilizada também a metodologia por simulação pedagógica, isto é, o processo de ensino/aprendizagem é realizado em condições próximas da realidade laboratorial. Os alunos resolverão casos práticos, semelhantes às situações que irão ter na sua vida profissional, os quais permitirão, recorrendo a diversas técnicas analíticas, desenvolver o seu espírito crítico. A classificação da componente teórica tem um peso de 80% na classificação final, sendo baseada na classificação obtida em 2 testes escritos. A avaliação laboratorial pesará 20 % na nota total. Serão exigidos 10 valores a cada um dos componentes para aprovação à disciplina.

Demonstração da coerência das metodologias de ensino com os objetivos de aprendizagem da unidade curricular:

A complexidade dos temas abordados exige uma exposição cuidada capaz de colocar em evidência os pontos comuns das várias vias metabólicas estudadas e do sistema endócrino e de identificar a informação que, pelo seu detalhe, pode tornar o estudo mais difícil de manejar. A utilização de exercícios de aplicação e a apresentação de estudos de caso permite focar o estudo nos grandes princípios unificadores, e criar uma estrutura coerente de conhecimento capaz de suportar a aquisição de competências imediatas e possibilitar um posterior aprofundamento.

Bibliografia:

1) Devlin T.M., 2006, “Textbook of Biochemistry with clinical correlations”, 6.ª edição, Wiley-Liss.
2) Leal F., Lopes Cardoso I., 2013, “Casos Clínicos em Bioquímica”, edições Universidade Fernando Pessoa.
3) Lopes Cardoso I. et al., 2014, “Trabalhos Laboratoriais de Bioquímica”, 3ª edição, edições Universidade Fernando Pessoa.
4) Lopes Cardoso I., Leal F., 2013, “Manual de exercícios de Bioquímica”, edições Universidade Fernando Pessoa.
5) Nelson D.L., Cox M.M., 2008, “Lehninger Principles of Biochemistry”, 5.ª edição, W.H. Freeman and Company.
6) Mckee T. et al., 2008, “Biochemistry: the molecular bases of life”, 4.ª edição, McGraw-Hill.
7) Silva P.J., "Uma panorâmica geral das vias metabólicas", disponível online em homepage.ufp.pt/pedros/bq/integracao.htm

Objetivos de aprendizagem:

São objectivos desta disciplina i) proporcionar conhecimentos em histologia e embriologia, ii) fornecer as bases para interpretar a histopatologia, iii) aplicar o conhecimento adquirido e, iv) desenvolver competências críticas.

Conteúdos programáticos:

Níveis de organização do corpo humano (célula, tecido, órgão e sistemas). Tecidos básicos: tecido epitelial (revestimento e glandular), tecidos conjuntivos (propriamente ditos, de propriedades especiais e de suporte), tecido muscular (estriado e liso), tecido nervoso (neurônio e células de suporte). Sistema circulatório (vascular sanguíneo e linfático). Sistema respiratório (porção condutora e respiratória). Sistema urinário (rim e vias urinárias). Sistema linfático: timo, gânglios linfáticos, baço, amígdalas e MALT. Sistema tegumentar: pele e anexos cutâneos. Sistema digestivo: tubo digestivo e órgãos anexos – glândulas salivares, fígado e pâncreas. Sistema endócrino: hipotálamo, hipófise, tiróide, paratiróide, adrenal e pineal. Sistema reprodutor masculino: genitália externa - pénis e escroto, testículos e glândulas sexuais acessórias. Sistema reprodutor feminino: ovários e vias genitais. Fertilização. Desenvolvimento embrionário e fetal inicial.

Demonstração da coerência dos conteúdos programáticos com os objetivos de aprendizagem da unidade curricular:

A Citologia, Histologia e Embiologia são disciplinas clássicas aos vários cursos universitários da área das Ciências da Saúde. Na elaboração do conteúdo programático da disciplina teve-se em linha de conta a interdisciplinaridades das três áreas. Será dada ênfase para a compreensão e aplicação dos conceitos lecionados, nomeadamente a relação entre estrutura e função dos tecidos e órgãos, por via da apresentação e discussão de casos clínicos relevantes. Finalmente as competências adquiridas pelos alunos serão consolidadas no decurso das aulas laboratoriais com recurso à observação e identificação de preparações histológicas.

Metodologias de ensino (avaliação incluída):

As aulas terão tipologia teórica e prática-laboratorial. Nas sessões teóricas será dada ênfase à aquisição de conhecimentos básicos da disciplina e discutidos alguns casos clínicos. Nas aulas práticas-laboratoriais será privilegiada a observação e identificação de preparações histológicas. A avaliação da aquisição de competências por parte dos alunos na presente unidade curricular será efetuada através da realização de provas escritas de cariz teórico e prático-laboratorial privilegiando sempre que possível o modelo de avaliação continua.

Demonstração da coerência das metodologias de ensino com os objetivos de aprendizagem da unidade curricular:

Durante a execução pedagógica desta unidade curricular será tida em linha de conta a natureza particular da tipologia da aula em curso. Nas sessões teóricas irá se privilegiar a aquisição, compreensão e aplicação de conhecimentos básicos através de aulas presenciais em que o docente com o apoio de dispositivos multimédia ira leccionar os conteúdos programáticos sempre num papel de facilitador e organizador de temáticas privilegiando uma perspectiva de intercâmbio activo com os alunos. Serão ainda apresentados, estudados e discutidos alguns casos clínicos. Nas sessões práticas laboratoriais os alunos, privilegiando a utilização do microscópico óptico composto, irão observar preparações histológicas de tecidos e órgãos onde aplicarão os conhecimentos adquiridos na componente teórica. O acompanhamento do aluno fora da sala de aula, e que não se resume as horas estabelecidas para atendimento, será fundamental no desenvolvimento das competências pretendidas.

Bibliografia:

[1] Aarestrup BJ. 2012. Histologia Essencial. 1ª edição. Guanabara & Koogan. Rio de Janeiro
[2] Gartner LP, Hiatt LP (2003) Tratado de Histologia. 2ª Edição. Guanabara & Koogan. Rio de Janeiro
[3] Hib J. 2003. DiFiore Histologia: Texto e Atlas. 1ª Edição. Guanabara & Koogan. Rio de Janeiro
[4] Junqueira LC, Carneiro J. 2013. Histologia Básica: Texto e Atlas. 12ª Edição. Guanabara & Koogan. RJ

Objetivos de aprendizagem:

Os objectivos da unidade curricular de Farmacologia e Toxicologia são:
O1- Compreender as bases da farmacologia e da toxicologia;
O2- Compreender a farmacocinética e a toxicocinética básica e clínica;
O3- Compreender os mecanismos gerais de acção dos fármacos;
O4- Perceber os mecanismos pelos quais ocorrem interacções medicamentosos entre fármacos, ou entre fármacos e plantas ou alimentos;
O5- Identificar os fármacos que actuam em cada sistema e o seu grupo farmacoterapêutico;
O6- Identificar as reacções adversas e participar na farmacovigilância;
O7- Conhecer os mecanismos gerais de acção dos tóxicos e métodos de avaliação dos efeitos de xenobióticos;
O8- Aquisição de conhecimentos para a implementação e realização de técnicas laboratoriais analíticas de pesquisa e quantificação de fármacos e tóxicos;
O9- Reconhecer a importância da monitorização terapêutica de fármacos;
O10- Ter capacidade de trabalho autónomo n pesquisa de informação sobre farmacologia e toxicologia.

Conteúdos programáticos:

CP1: Noções gerais de farmacologia e toxicologia.
CP2: Ciclo geral de fármacos e tóxcios no organismo. Farmacocinética e toxicocinética (absorção, distribuição, metabolização e excreção).
CP3: Farmacodinamia e mecanismos gerais de acção dos fármacos.
CP4: Fármacos com acção no sistema nervoso central: sedativos e hipnóticos, antiepilépticos e psicoestimulantes e drogas de abuso.
CP5: Fármacos utilizados no controlo da dor: opióides, AINEs e paracetamol.
CP6: Reacções adversas, interacções medicamentosas e farmacovigilância.
CP7: Mecanismos gerais de toxicidade e efeitos dos tóxicos.
CP8: Avaliação do risco e o conceito de dose diária admissível.
CP9: Pesticidas e metais pesados: órgãos alvo e mecanismo de toxicidade
CP10: Pesquisa e quantificação de fármacos e tóxicos no laboratório.
CP11: Monitorização terapêutica de fármacos.
CP12: Fontes de informação sobre fármacos e tóxicos.

Demonstração da coerência dos conteúdos programáticos com os objetivos de aprendizagem da unidade curricular:

Os conteúdos programáticos da unidade curricular de Farmacologia e toxicologia proporcionam aos estudantes de Análises clínicas e saúde pública a aquisição de competências científicas, técnicas e interpessoais que permitam desenvolver intervenções na área da Farmacologia e toxicologia.
Os conteúdos de farmacologia e ainda o estudo dos diversos grupos farmacoterapêuticos (conteúdos programáticos CP1 a CP6) permitiram atingir os objetivos O1, O2, O3, O4, O5, O6 e O9. Os conteúdos de toxicologia e ainda o estudo de diversos tóxicos e seus mecanismos de acção (conteúdos programáticos CP7 a CP9) permitem atingir os objectivos O2, O7 e O8. A componente laboratorial com a pesquisa e quantificação de fármacos e tóxicos (conteúdos programáticos CP10 a CP12), permitem ao aluno atingir os objectivos O8, O9 e O10.

Metodologias de ensino (avaliação incluída):

Metodologia de ensino
M1: Exposição e debate dos conceitos teóricos relevantes em sala de aula.
M2: Orientação do estudo autónomo dos alunos por consulta da bibliografia recomendada e na resolução de exercícios propostos.
M3: Execução de protocolos laboratoriais recorrendo a metodologias analíticas correntes.
M4: Discussão de problemas e casos clínicos relevantes.
M5: Utilização da plataforma de e-learning para armazenar e disponibilizar material didático ao aluno.
Avaliação
Avaliação consiste na realização de dois testes escritos na componente teórica (60% na nota final) e de dois testes escritos, resolução de fichas e desempenho do aluno na componente laboratorial (40% na nota final). Caso a nota a uma dada componente seja inferior a 9,5 o aluno estará automaticamente reprovado a essa componente seja ela teórica ou laboratorial.

Demonstração da coerência das metodologias de ensino com os objetivos de aprendizagem da unidade curricular:

A constante interacção entre o docente e o aluno nas aulas teóricas e laboratoriais permitirá a adequação do aluno aos objectivos propostos. Os protocolos laboratoriais e demais discussões sobre casos práticos sobre fármacos e tóxicos providenciam a consolidação de conhecimentos e capacitam o aluno para a solução de problemas relacionados com a área da farmacologia e toxicologia. Para além disso a utilização de um conjunto de materiais de estudo criado propositadamente, assim como as sessões de apoio para esclarecimento de dúvidas, permitem um elevado nível de ajustamento entre as metodologias utilizadas e os objetivos da unidade curricular.
M1: Exposição e debate dos conceitos teóricos relevantes em sala de aula – Visa atingir O1 a O7.
M2: Orientação do estudo autónomo dos alunos por consulta da bibliografia recomendada e na resolução de exercícios propostos – Visa atingir O10.
M3: Execução de protocolos laboratoriais recorrendo a metodologias analíticas correntes – Visa atingir O8 e O9.
M4: Discussão de problemas e casos clínicos relevantes – Visa atingir todos os objectivos.
M5: Utilização da plataforma de e-learning para armazenar e disponibilizar material didático ao aluno – Visa atingir todos os objectivos.

Bibliografia:

1. Rang and Dale's pharmacology, JM Ritter, RJ Flower, G Henderson, YK Loke, D MacEwan, HP Rang (Eds), 9th edition, Elsevier, 2019.
2. Terapêutica Medicamentosa e suas Bases Farmacológicas (Manual de Farmacologia e Farmacoterapia), S Guimarães, D Moura, P Soares da Silva (Eds), 6ª edição, Porto Editora, 2014.
3. Goodman & Gilman´s The Pharmacological Basis of Therapeutics, LL Bruton, R Hilal-Dandan, BC Knollmann (Eds), 13th edition, McGraw-Hill Education, 2018.
4. Casarett & Doull's Toxicology: The Basic Science of Poisons. Curtis Klaassen, 9th Edition, McGraw-Hill, 2018
5. Toxicologia Forense, Félix Carvalho, Maria Lourdes Bastos, Ricardo Dinis (Eds.), 1ª edição, PACTOR - Grupo LIDEL, 2015.?
6. Goldfrank´s Toxicologic Emergencies. Flomenbaum N.E. (et al.) 10th Edition. McGraw-Hill, USA, 2015.
7. Clarke's Analysis of Drugs and Poisons. Moffat, Anthony C (ED) 4th edition, The Pharmaceutical Press, 2011.

Objetivos de aprendizagem:

Desenvolvimento da competência linguística e comunicativa dos alunos com o objectivo de assegurar uma comunicação eficaz numa pluralidade de situações sócio-profissionais. Consolidação de estruturas gramaticais e padrões previamente adquiridos. Identificação, crítica, comentário e produção de vários tipos de texto, através do desenvolvimento das capacidades de ouvir, compreender, analisar, discutir e resolver problemas em inglês.
Desenvolvimento das capacidades críticas e reflexivas dos alunos, através de uma aprendizagem e gestão autónomas.

Conteúdos programáticos:

1. Anatomia humana
1.1. Sistemas
1.2. Terminologia médica
2. Análises clíncas
2.1 O laboratório médico
2.2 Grupos sanguíneos e análises ao sangue
2.3 Análises à urina
2.4 Rastreio de doenças
2.5 Terminologia médica

Demonstração da coerência dos conteúdos programáticos com os objetivos de aprendizagem da unidade curricular:

Os itens temáticos dos conteúdos programáticos visam como competências genéricas que os alunos comuniquem, compreendam e produzam mensagens em língua inglesa, tanto em contextos sociais, como profissionais, devendo ser capazes de utilizar a língua inglesa num conjunto de situações reais. Para este efeito, nesta unidade curricular, os estudantes são incentivados a adoptar uma atitude introspetiva e reflexiva, tendo em conta a realidade social e profissional na área da saúde.
É objetivo da unidade curricular levar os estudantes a melhorar as suas competências comunicacionais em inglês, de modo a que consigam utilizar esta língua na realização de diversos contactos interpessoais, em diferentes contextos socioprofissionais, de forma a permitir o desempenho profissional em contexto internacional. Com a componente de 'Trabalho de Projeto', pretende-se melhorar o trabalho de equipa, com utilização de uma segunda língua, especificamente em inglês.

Metodologias de ensino (avaliação incluída):

Avaliação contínua OU exame.
Aulas teórico-práticas, com ênfase nas competências instrumentais: dialogar, ouvir, ler e compreender mensagens em língua inglesa. A avaliação é contínua, constituída por duas apresentações orais e um teste escrito. A nota final resulta da ponderação das várias prestações escritas e orais do estudante, bem como da sua participação nas atividades propostas.

Demonstração da coerência das metodologias de ensino com os objetivos de aprendizagem da unidade curricular:

De forma a potenciar as competências específicas dos estudantes, a metodologia adoptada (com ênfase na avaliação contínua de conhecimento) incentiva as aquisições de tipo instrumental, designadamente comunicar oralmente e por escrito, identificar e compreender mensagens, utilizando a língua inglesa num conjunto de situações socioprofissionais, bem como no acesso ao conhecimento. As metodologias eminentemente práticas desta disciplina têm como objetivo levar os alunos a interpretar circunstâncias e fenómenos comunicacionais relativos aos diferentes contextos culturais e linguísticos, adquirindo experiência na recolha, identificação e interpretação de informação proveniente de diferentes contextos culturais, desenvolver deste modo a autonomia de trabalho em diferentes contextos culturais, levando a uma maior compreensão e adaptação a diferentes ambientes culturais em que a comunicação seja efectuada em língua inglesa.

Bibliografia:

Chrimes, J. (2015). English for biomedical science in higher education studies: Course book. Reading, Garnet education.
Lieseke, C. L., & Zeibig, E. A. (2012). Essentials of Medical Laboratory Practice. Philadelphia, F.A. Davis Company.
Murphy, R. (2019). English Grammar In Use Book With Answers And Interactive Ebook. A Self-Study Reference And Practice Book For Intermediate Learners Of English. Cambridge, Cambridge University Press.
Redman, S. (2017) English Vocabulary in Use Pre-intermediate and Intermediate Book with Answers: Vocabulary Reference and Practice. Cambridge: C.U.P.
Ribes, R., Iannarelli, P. & Duarte, R.F.(2009). English for Biomedical Scientists. Heidelberg, Springer.
Tortora, G.J. & Derrickson, B.H.(2018). Principles of Anatomy and Physiology. John Wiley & Sons, Inc.

Objetivos de aprendizagem:

A Química Aplicada é eminentemente uma ciência de medição que com base num vasto conjunto de ideias e métodos de análise tem aplicação em todos os campos científicos e médicos sendo inúmeros os exemplos em química clínica, no controlo da qualidade alimentar, entre outros. Nesta unidade curricular pretende-se que o aluno adquira consistentes bases teóricas e práticas nesta área de conhecimento que virão a ser indispensáveis ao seu futuro profissional.
Na componente teórico-prática serão abordados um conjunto alargado de conceitos relativos a etapas fundamentais de procedimentos analíticos, equilíbrios em solução (ácido-base, precipitação, oxidação-redução e complexação) e análises volumétricas tradicionais.
A componente laboratorial procurará ainda transmitir aos alunos conceitos importantes no que respeita a regras gerais de segurança, assim como capacitar para o correto manuseamento de material e equipamento de uso corrente em laboratório.

Conteúdos programáticos:

1. Introdução
2. Soluções e nomenclatura de compostos inorgânicos
3. Procedimento analítico
4. Medições, erros e algarismos significativos
5. Conceitos fundamentais de equilíbrio químico
6. Equilíbrios de ácido-base
7. Equilíbrios em reações de oxidação-redução
8. Equilíbrios em reações de precipitação
9. Equilíbrios em reações de complexação

Demonstração da coerência dos conteúdos programáticos com os objetivos de aprendizagem da unidade curricular:

O diagnóstico de diversas patologias e os desvios à homeostasia baseia-se na medição dos níveis de proteínas, enzimas, anticorpos, electrólitos e gases nos vários fluídos biológicos. Tratando-se de substâncias químicas, as suas concentrações dependem da ocorrência de reacções químicas, nomeadamente dos equilíbrios químicos complexos que se estabelecem nos fluídos biológicos. Na unidade curricular de química aplicada serão veiculados os conceitos fundamentais de equilíbrio químico em solução, essenciais à compreensão da química dos fluídos biológicos e dos métodos clássicos de análise quantitativa baseados em reacções ácido-base, oxidação-redução, precipitação e complexação.

Metodologias de ensino (avaliação incluída):

Nas aulas teórico-práticas são abordados os princípios gerais inerentes à análise química que vão desde a preparação e manipulação de soluções às incertezas associadas a um procedimento analítico. Em seguida, estudam-se os diversos tipos de equilíbrios e a sua aplicação na análise quantitativa tradicional. Estes conteúdos são desenvolvidos por recurso a uma série de questões de resposta objetiva e problemas numéricos.
As aulas práticas incluem a execução de 7 trabalhos práticos, que permite aplicar e demonstrar alguns dos conhecimentos mais importantes que foram alvo de estudo.
A aquisição de conhecimentos é validada através da realização de duas provas escritas (com um coeficiente de ponderação de 80% na nota final da disciplina). A avaliação à componente prática será baseada no desempenho dos alunos, na qualidade dos relatórios entregues e em 2 testes escritos. A classificação final só será atribuída, quando ambas as componentes estiverem aprovadas.

Demonstração da coerência das metodologias de ensino com os objetivos de aprendizagem da unidade curricular:

Dada a relativa complexidade teórica dos temas abordados (equilíbrio químico e análise química quantitativa) a sua transmissão e compreensão requer aulas teórico-práticas expositivas e de resolução de exercícios. As aulas laboratoriais destinam-se a que o estudante se familiarize com a prática da análise química quantitativa de espécies químicas de interesse biológico, usando métodos clássicos de análise baseados em reações ácido-base, oxidação-redução, precipitação e complexação.

Bibliografia:

Christian, G. D., Analytical Chemistry, 7ed., John Wiley & Sons, 2014.
Harris, D. C., Lucy, C. A. Quantitative Chemical Analysis, 10ed., Macmillan, 2020.
Skoog, D. A., West, D. M., Holler, F. J. and Crouch, S. R., Fundamentals of Analytical Chemistry 9th Edition, Thomson-Brooks/Cole, 2014.
Souto, R., Pimenta, A., Catarino, R., Manual Prático de Análise Química, Lusodidacta, 2018.

UNIDADES CURRICULARES ECTS

Objetivos de aprendizagem:

Os testes bioquímicos são usados no diagnóstico, prognóstico, monitorização e despiste de doenças. Toda a informação recolhida terá valor quando obtida com o rigor necessário desde a colheita até à emissão de um boletim analítico. Assim, pretende-se com esta disciplina que o aluno consiga compreender, executar e interpretar de forma adequada qualquer determinação bioquímica; enquadrá-la, nos limites das suas funções, ao perfil analítico geral e informação clínica disponível do doente em causa.

Conteúdos programáticos:

1. Testes bioquímicos em Análises Clínicas, teoria de valores de referência.e Controlo de qualidade (conceitos básicos.).Tipos de amostras biológicas ,colheitas, transporte e conservação
2. Equilíbrio ácido-base. Noções, distúrbios no equilíbrio ácido-base: acidose e alcalose metabólica e respiratória - mecanismos de compensação
3.Hidratos de Carbono (HC)
Diabetes mellitus: Técnicas e critérios de diagnóstico e classificação, patogénese
4.Proteínas plasmáticas
Classificação e Metabolismo das principais proteínas plasmáticas
5. Vitaminas. Definição, classificação e Funções
6.Enzimologia clínica : Classificação das enzimas e enzimas com valor diagnóstico.
7.Lipidos e lipoproteínas (LP): Metabolismo lipídico e Dislipidemias primárias e secundárias.
8. Equilibrio hídrico

Demonstração da coerência dos conteúdos programáticos com os objetivos de aprendizagem da unidade curricular:

Nesta UC os alunos adquirem conhecimentos teóricos e teórico-práticos em sala de aula que serão o suporte a aulas práticas onde aprenderão a executar técnicas básicas de analises clinicas (manuais e automatizadas). Iniciarão as técnicas de obtenção, separação e preservação de produtos biológicos. desde a colheita ao cálculo e interpretação crítica de resultados.
Por fim farão a interpretação de resultados analíticos e casos clínicos.
Aprenderão também regras de postura, segurança, hierarquia, respeito e a confidencialidade exigidas não só pela profissão como pela legislação em vigor.

Metodologias de ensino (avaliação incluída):

Os conhecimentos adquiridos serão avaliados de forma contínua (aulas PL) e periódica (aulas T).
Na avaliação contínua realizada nas aulas PL, contribuem parâmetros como assiduidade, participação responsável e preparação prévia dos trabalhos. A ponderação será de 50%. Os alunos também deverão apresentar fichas de trabalho sobre os trabalhos práticos. A média das fichas corresponderá aos restantes 50% da avaliação contínua PL.
Na avaliação periódica realizada nas aulas T, ocorrerão dois momentos de avaliação escrita cuja ponderação será de 50% + 50%. A nota final será o resultado da média ponderada da classificação PL (40%) e T (60%). Para o cálculo da nota final o aluno terá de obter uma classificação mínima de 9,5 em cada componente letiva (PL e T).

Demonstração da coerência das metodologias de ensino com os objetivos de aprendizagem da unidade curricular:

A Qualidade dos serviços de saúde depende tanto das pessoas como de sistemas e técnicas apropriadas. Neste contexto os profissionais de saúde devem desempenhar um papel ativo suportado na ética, no rigor e em conhecimentos teórico-práticos adequados aos desafios e necessidades que se lhes deparam. Todos somos a favor da Qualidade em tudo o que nos rodeia, e hoje é um imperativo em qualquer serviço ou instituição credível particularmente na saúde.

Bibliografia:

Clinical Chemistry, W. J. Marshall, Mosby.
Gaw, A. et al (2013). “Clinical Biochemistry – An illustrated colour text”. 5th Ed. Elsevier
Clinical Chemistry –Theory, Analysis and Correlation, L. Kaplan, A. Pesce, The C.V. Mosby Company.
Clinical Diagnosis and Management by Laboratory Methods, J. B. Henry, W.B. Saunders Company.
Tietz: Text Book of Clinical Chemistry, Ed. C.A. Burtis, E.R. Ashwood, W.B. Saunders

Objetivos de aprendizagem:

No final o aluno deverá ser capaz de:
1)compreender os fenómenos da hereditariedade a nível molecular, discutindo-os com base em mecanismos moleculares genéticos, epigenéticos
2)compreender a utilidade das técnicas genéticas para o diagnóstico de doenças hereditárias, de fatores de risco genético, de doenças genéticas de células somáticas, e de doenças infeciosas
3)desenvolver capacidades técnico-laboratoriais, com aplicação em laboratórios de investigação e de Patologia Clínica.

Conteúdos programáticos:

O programa inclui os aspetos básicos da genética molecular, desde os tipos de material genético, sua composição, estrutura, arranjo e distribuição celular até aos mecanismos moleculares de preservação da informação genética, regulação da expressão génica incluindo mecanismos epigenéticos, transcrição e tradução. Com estes conhecimentos, abordaremos aspetos moleculares da Imunogenética e as técnicas utilizadas em estudo genético, focando em exemplos concretos de aplicação de conhecimentos e técnicas genéticas no laboratório de Patologia Clínica.

Demonstração da coerência dos conteúdos programáticos com os objetivos de aprendizagem da unidade curricular:

A evolução científica e tecnológica que se tem verificado na área da genética ao longo das últimas décadas tem permitido o desenvolvimento de metodologias avançadas de diagnóstico molecular, com fins terapêuticos e de investigação clínica, em áreas da Biomedicina cada vez mais diversas (doenças hereditárias monogénicas, doenças oncológicas, doenças cardiovasculares, doenças imunológicas, doenças infeciosas, genética forense, etc.). A ampla aplicabilidade da genética não só ao nível do diagnóstico, mas cada vez mais ao nível da medicina preventiva, aliada ao facto de esta ser uma área onde a sofisticação tecnológica progride rapidamente, requer a aquisição, por parte do futuro profissional, de uma sólida formação científico-tecnológica.
Nesse sentido, os conteúdos programáticos da Unidade Curricular estão centrados numa componente científica avançada (Parte I) e numa componente prática que privilegia metodologias específicas com ampla aplicação laboratorial, clínica ou de investigação.

Metodologias de ensino (avaliação incluída):

Parte I:Exposição da informação dos conteúdos programáticos visando a aquisição de conhecimentos técnico-científicos (certificação através da realização de 2 testes escritos, 70%).
Parte II:Serão utilizadas metodologias diversas (análise de ferramentas metodológicas de natureza laboratorial e bioinformática) e a aplicação de procedimentos laboratoriais correntes em genética molecular visando uma melhor capacidade de adaptação dos futuros profissionais, com maior capacidade de operacionalidade quer nos processos de organização e execução do trabalho quer do raciocínio laboratorial, a qual será avaliada através da realização de 2 testes escritos (10%) e do desempenho do aluno em ambiente laboratorial (10%). A realização de um trabalho de pesquisa bibliográfica visando melhorar a autonomia do aluno ao nível da recolha, interpretação crítica de literatura científica, sistematização e apresentação de informação e será avaliado através de uma comunicação oral (10%).

Demonstração da coerência das metodologias de ensino com os objetivos de aprendizagem da unidade curricular:

Parte I: Os conhecimentos teóricos serão transmitidos com recurso a metodologia expositiva em sala de aula, recorrendo a slides e animações vídeo sempre que possível. Esta metodologia será complementada com sessões tutoriais tendencialmente individuais para orientação do estudo do aluno. Deste modo, os objetivos de aprendizagem subjacentes a esta parte da unidade curricular serão concretizados através de três abordagens: momentos de transmissão ativa de conhecimentos (baseados na literatura científica e na experiência profissional) orientados pelo docente, momentos de trabalho individual do aluno e ganho de autonomia (com recurso à bibliografia) e sessões tutoriais em que o acompanhamento do aluno é feito de acordo com as suas necessidades e características individuais.
Parte II: O desenvolvimento das capacidades práticas focar-se-á maioritariamente em ambiente laboratorial, em função do principal objetivo formativo do ciclo de estudos, sem esquecer que no laboratório de Genética Molecular dos dias de hoje, o intenso ciclo de inovação tecnológica obriga a que sejam dominadas técnicas laboratoriais e bioinformáticas. Assim, serão executados protocolos laboratoriais genéricos, de diagnóstico simples e de diagnóstico tecnologicamente avançado, mas também será dado relevo à abordagem prática da resolução de problemas bioinformáticos, a análise dos sempre crescentes e complexos fluxos de dados genéticos, bem como à utilização de ferramentas bioinformáticas para o desenvolvimento de novos testes genéticos de diagnóstico.

Bibliografia:

•Krebs J.E. Goldstein E.S., Kilpatrick ST., 2018, “Genes XII”, Jones and Bartlett Publishers, Inc, London
•José Cabeda, 2019. “Fundamentos de Genética e Genómica: do laboratório à clínica” (Manuscrito fornecido aos alunos)
•Cardoso-IL, Cabeda JM, Roseira MG., 2013, Manual de Trabalhos Práticos de Genética. Edições Universidade Fernando Pessoa
•Cabeda JM., Moreno ACA. 2014. “Sequenciação de ácidos nucleicos em Biomedicina”.

Objetivos de aprendizagem:

O estudo da hematologia e exames hematológicos são usados no diagnóstico, prognóstico, monitorização e despiste de doenças. Toda a informação recolhida terá valor quando obtida com o rigor necessário desde a colheita até à emissão de um boletim analítico. Assim, pretende-se com esta disciplina que o aluno consiga compreender, executar e interpretar de forma adequada qualquer determinação bioquímica e enquadrá-la, nos limites das suas funções, ao perfil analítico geral e informação clínica disponível do doente em causa.

Conteúdos programáticos:

Hematopoiese
Estudo hematológico básico. Automatização em hematologia: desafios
Eritrograma: Perfil normal e alterações
1)Anemias Normocrómicas/ Normocíticas ( Hemolíticas congénitas;Por deficiência nas vias metabólicas ;Hemolíticas adquiridas; Imunes)
2)Anemias Hipocrómicas e microcíticas: Ferropénicas; Sideroblásticas;Relacionadas com anomalias da sintese da hemoglobina;Hemoglobinopatias Talassemias
3)Anemias Megaloblástica
4) Estudo básico da coagulação; Bases gerais do tratamento hipocoagulante.

Demonstração da coerência dos conteúdos programáticos com os objetivos de aprendizagem da unidade curricular:

A Qualidade dos serviços de saúde depende tanto das pessoas como de sistemas e técnicas apropriadas. Neste contexto os profissionais de saúde devem desempenhar um papel activo suportado na ética, no rigor e em conhecimentos teórico-práticos adequados aos desafios e necessidades que se lhes deparam. Todos somos a favor da Qualidade em tudo o que nos rodeia, e hoje é um imperativo em qualquer serviço ou instituição credível particularmente na saúde.

Metodologias de ensino (avaliação incluída):

3. Os conhecimentos adquiridos serão avaliados de forma contínua e periódica.
Na avaliação contínua, contribuem parâmetros como assiduidade, interesse, participação e atitude face aos temas. A ponderação será de 10%.
Por avaliação periódica, compreende-se dois momentos de avaliação escrita cuja classificação terá uma tradução na escala de 0 a 20 valores. A ponderação será de 45 + 45 % mais 10% por avaliação contínua (assiduidade, participação nas aulas, ...)
O aluno é considerado 'aprovado' se cumprir todos os momentos de avaliação.
Os alunos que obtenham na avaliação escrita resultados entre 8,0 e 9,4 valores deverão ser sujeitos a uma prova oral.
Avaliação Prática: Média das fichas (40%) , assiduidade e participação (10% ) , EXame PL ( 50%)

Demonstração da coerência das metodologias de ensino com os objetivos de aprendizagem da unidade curricular:

Nesta disciplina os alunos adquirem conhecimentos teóricos e teórico-práticos em sala de aula que serão o suporte a aulas práticas onde aprenderão a executar técnicas básicas de análises clinicas hematológicas (manuais e automatizadas). Iniciarão as técnicas de obtenção, separação e preservação das amostras biológicos desde a colheita (particularmente a punção venosa) ao cálculo e interpretação crítica de resultados. Por fim farão, quer em laboratório quer em sala de aula, com professores experientes na área, a interpretação de resultados analíticos e casos clínicos. Aprenderão também regras de postura, segurança, hierarquia, respeito e a confidencialidade exigidas não só pela profissão como pela legislação em vigor.

Bibliografia:

1. Hoffbrand, A.V., Essential Haematology, Wiley Blackwell, 8th Edition
2. Dacie and Lewis,Pactical Haematology, Churchill Livingstone Elsevier, 12ª edição
3. Barbara Bain, Células Sanguíneas Um guia Prático, Artmed, 5ª edição
4. McPherson, Pincus. Diagnosis,Henry's Clinical Diagnosis and Management by Laboratory Methods, Elsiver, 22ª edição

Objetivos de aprendizagem:

Os procedimentos analíticos atualmente usados nas ciências da saúde, em bioquímica, química alimentar, ciências ambientais e em numerosas áreas industriais, têm por base os métodos instrumentais de análise. Com efeito, a determinação de espécies pelos métodos tradicionais, tornou-se menos relevante porque lhes falta seletividade, sensibilidade, são demorados e a sua precisão é facilmente alterada.
O objetivo desta unidade curricular é descrever algumas das metodologias analíticas que hoje em dia têm maior utilização, de um modo conciso, simples e preciso, transmitindo aos alunos os conhecimentos essenciais para o uso e manipulação corretos destes equipamentos em laboratório.

Conteúdos programáticos:

1. Introdução aos Métodos Instrumentais de Análise
2. Aspetos quantitativos das medições espetroquímicas
3. Espetrofotometria de ultravioleta-visível
4. Espetroscopia atómica
5. Potenciometria
6. Aspetos gerais das separações cromatográficas
7. Cromatografia Líquida
8. Cromatografia Gasosa

Demonstração da coerência dos conteúdos programáticos com os objetivos de aprendizagem da unidade curricular:

Os procedimentos analíticos empregues nas ciências da saúde e em numerosas áreas industriais, têm por base os chamados métodos instrumentais de análise. De facto, a maioria das análises em bioquímica clínica, hematologia, imunoquímica e microbiologia são, hoje em dia, baseadas em metodologias espetrofotométricas, potenciométricas e em diversas cromatografias.
O programa da unidade curricular procura fornecer uma sólida formação teórica sobre os princípios fundamentais referentes a estas técnicas. Esta formação é complementada com a prática laboratorial em que se executam análises relevantes na área da química contemporânea, utilizando todo o equipamento alvo de estudo prévio. Assim são desenvolvidas competências que permitem obter resultados de qualidade e avaliar de forma crítica de resultados experimentais.

Metodologias de ensino (avaliação incluída):

Metodologias (M): (M1) Nas aulas teóricas procede-se à exposição e debate dos conceitos teóricos relevantes e orientação do estudo autónomo. Recorrendo a gráficos e imagens apresentam-se os vários equipamentos de uso comum em laboratórios. (M2) Estes conteúdos são consolidados em aulas práticas dedicadas à resolução de questões de resposta objetiva e problemas numéricos que permitem o esclarecimento de dúvidas e aprofundamento de temas específicos. (M3) Participação ativa do aluno no processo de ensino-aprendizagem através da execução de um conjunto de trabalhos laboratoriais.
Avaliação: a aquisição de conhecimentos da componente teórica é validada através da realização de duas provas escritas (70% na nota final). A avaliação à componente prática (30% na nota final) será baseada no desempenho laboratorial, na qualidade das fichas de resultados entregues (50%) e em duas provas escritas (50%). A classificação final só é atribuída se as duas componentes estiverem aprovadas.

Demonstração da coerência das metodologias de ensino com os objetivos de aprendizagem da unidade curricular:

No final desta unidade curricular, os alunos deverão ter a capacidade de reconhecer e descrever as mais importantes ferramentas analíticas usadas na análise quantitativa contemporânea. Deverão conhecer os fundamentos básicos de operação das várias metodologias, ser capazes de descrever os principais componentes de cada instrumento e as suas características. O conhecimento de cada equipamento permitirá entender as suas limitações/especificidades e controlar cuidadosa e rigorosamente todos os parâmetros que, em cada caso, condicionam a qualidade da análise. O tratamento dos dados experimentais obtidos deverá ser plenamente compreendido para que seja possível efetuar um adequado processamento dos mesmos, com vista à obtenção de resultados com adequada precisão e exatidão.
Neste sentido, a unidade curricular de Métodos Instrumentais de Análise encontra-se dividida em componentes essenciais. Na componente teórica são ministrados os conceitos inerentes aos fenómenos físicos e químicos envolvidos numa análise instrumental, e que vão desde a eletrónica, à eletroquímica, passando pela ótica. Na componente prática laboratorial, o estudante vai ser chamado a realizar análises quantitativas usando métodos espetrofotométricos, potenciométricos e cromatográficos tendo oportunidade de aprender a trabalhar com o equipamento usado para esse efeito.

Bibliografia:

Christian, G. D., Dasgupta, P. K. e Schug, A., Analytical Chemistry, 7ª ed, Wiley, 2013. ISBN: 978-0470887578.
Skoog, D. A., Holler, F. J. e Crouch, S. R., Principles of Instrumental Analysis, 7ª ed, Cengage Learning, 2017. ISBN: 978-1305577213.
Harris, D. C. e Lucy C. A. Quantitative Chemical Analysis, 10ª ed., W. H. Freeman, 2019. ISBN: 978-1319164300.
Skoog D. A., West D. M., Holler, F. J. e Crouch S. R. Fundamentals of Analytical Chemistry, 9ª ed, Cengage Learning, 2013. ISBN: 978-0495558286.

Objetivos de aprendizagem:

OA1-Identificar as características estruturais dos organismos eucariotas e procariotas
OA2-Identificar os factores que influenciam o crescimento dos microrganismos
OA3-Vírus
OA4-Princípios de genética microbiana
OA5-Identificar e descrever os mecanismos de infecção
OA6-Antimicrobianos

Conteúdos programáticos:

O programa da disciplina de Microbiologia Geral irá abordar os conceitos base e fundamentais sobre o mundo microbiológico. Será dada especial ênfase à interdependência dos diversos conceitos de microbiologia estrutural, microbiologia funcional, relação parasita-hospedeiro e antimicrobianos.
CP1-Identificar as característias estruturais dos organismos eucariotas e procariotas
CP2-Identificar os factores que influenciam o crescimento dos microorganismos
CP3-Vírus
CP4-Princípios de genética microbiana
CP5-Identificar e descrever os mecanismos de infecção
CP6-Antimicrobianos

Demonstração da coerência dos conteúdos programáticos com os objetivos de aprendizagem da unidade curricular:

Os conteúdos programáticos estão totalmente de acordo com o objetivo da unidade curricular. A carga horária de cada um dos conteúdos está também adequada à aprendizagem dos objetivos.
Os objetivos (OA1-OA6) são conseguidos pelas respectivas componentes programáticas (CP1-CP6).

Metodologias de ensino (avaliação incluída):

Forma de execução pedagógica:
M1-Exposição e debate dos conceitos teóricos relevantes em sala de aula, orientação do estudo autónomo dos alunos por consulta da bibliografia recomendada.
M2-Brainstorming sobre questões pertinentes relacionadas com a matéria exposta em sala de aula. M3-Relativamente à componente laboratorial a aprendizagem resulta da execução laboratorial dos trabalhos que reforçam a aprendizagem teórica.
Avaliação contínua (Dois testes teóricos e dois testes práticos durante o semestre). Qualquer uma das componentes só está concluída com 9,5 valores. A componente teórica contribui com 80% da nota final e a componente prática com 20% da nota final.
A componente teórica é avaliada por exame final no caso de não o ser por avaliação contínua.

Demonstração da coerência das metodologias de ensino com os objetivos de aprendizagem da unidade curricular:

As metodologias de ensino (M1-exposição teórica, M2-debate e orientação do estudo autónomo e M3 trabalho laboratorial) estão totalmente de acordo com o objetivo da unidade curricula(OA1-OA6). A carga horária de cada um dos conteúdos está também adequada à apredizagem dos objetivos.

Bibliografia:

(1) Ferreira, W.F.C. and Sousa, J.C. – Microbiologia (vol. 1) – LIDEL, 2010
(2) Prescott, L., Harley, J.P., Klein, D.A. – Microbiology – McGraw-Hill, 6ª edição, 2004
(3) Sousa, J.C. – Antibióticos volume 1 – Edições UFP, 2016.
(4) Sousa, J.C., Cerqueira, F., Abreu, C. – Microbiologia. Protocolos laboratoriais, 2ª edição– Edições UFP, 2012.

Objetivos de aprendizagem:

OA1- Compreender o papel da epidemiologia na prática clínica e na saúde pública e das medidas profiláticas, a nível individual e coletivo;
OA2- Descrever as medidas de saúde e doença, saber calculá-las e aplicá-las de forma correta;
OA3- Descrever os principais desenhos epidemiológicos, indicar a sua correta aplicabilidade e interpretar seus resultados. Saber diferenciar na prática os principais desenhos epidemiológicos;
OA4- Conhecer os passos de uma investigação epidemiológica. Diferenciar os tipos de erros mais comuns; compreender o conceito de validade dos dados; explicar o conceito de variável de confusão. Reconhecer os erros mais comuns em estudos epidemiológicos;
OA5- Definir os conceitos e as aplicações mais comuns de associação estatística e de causalidade. Compreender o significado dos diferentes postulados no estudo da causalidade;
OA6- Descrever as características de um programa de deteção precoce. Estimar os principais índices de provas diagnósticas e de deteção precoce.

Conteúdos programáticos:

CP1. Importância da epidemiologia na saúde. História e conceito. Objetivos e usos da epidemiologia. História natural da doença. Profilaxia e medidas profiláticas. Epidemiologia na prática clínica e na saúde pública.
CP2. Medir saúde e doença: medidas de frequência (prevalências; probabilidade de incidência e taxa de incidência); medidas de associação (OR, RR e r).
CP3. Tipologia de investigação epidemiológica: Estudos experimentais, quase-experimentais e observacionais (descritivos e analíticos). Atuação profissional baseada na prova científica (evidência).
CP4. Planeamento dos estudos - alguns desafios: erros sistemáticos; erros aleatórios; confundimento. Validade da informação.
CP5. Inferência causal. Modelos e critérios de causalidade.
CP6. Introdução à epidemiologia clínica. Diagnóstico e provas de diagnóstico: características operacionais do teste e valores preditivos positivo e negativo. Rastreio: definição e critérios.

Demonstração da coerência dos conteúdos programáticos com os objetivos de aprendizagem da unidade curricular:

CP1. Importância da epidemiologia e da profilaxia na saúde.
Visa atingir OA1
CP2. Medir saúde e doença.
Visa atingir OA2
CP3. Tipologia de investigação epidemiológica.
Visa atingir OA3
CP4. Planeamento dos estudos.
Visa atingir OA4
CP5. Inferência causal.
Visa atingir OA5
CP6. Introdução à epidemiologia clínica.
Visa atingir OA6.

Metodologias de ensino (avaliação incluída):

M1-Utilização da plataforma de e-learning para armazenar material didático (textos de apoio desenvolvidos pelo docente, artigos científicos ou outros de utilização livre e fichas de trabalho) que será disponibilizado aos alunos.
M2-O material disponibilizado servirá de apoio para os estudos baseados em problemas que se introduzirá como ferramenta de ensino-aprendizagem.
M3-Atividades de pesquisa autónoma que serão baseadas em questões de desenvolvimento e pesquisa.
M4-Desenvolvimento de atividades de síntese dos conteúdos básicos, após exposição oral, onde os alunos terão um envolvimento pró-ativo.
Avaliação
-Componente Teórica (coeficiente de ponderação de 75% na nota final): 2 testes (ponderação de 50% cada).
-Componente Prático-Laboratorial (coeficiente de ponderação de 25% na nota final): 2 testes (ponderação de 50% cada).
Para que a nota de cada Componente seja considerada no cálculo da Nota Final, os seus ECTS têm de estar atribuídos (nota igual ou superior a 10 valores).

Demonstração da coerência das metodologias de ensino com os objetivos de aprendizagem da unidade curricular:

M1 - Utilização da plataforma de e-learning para armazenar material didático (textos de apoio desenvolvidos pelo docente, artigos científicos ou outros de utilização livre e fichas de trabalho) que será disponibilizado aos alunos. Para a prossecução de todos os objetivos.
M2 - O material disponibilizado servirá de apoio para os estudos baseados em problemas que se introduzirá como ferramenta de ensino-aprendizagem. Para a prossecução dos OA2, OA3 e OA6
M3 - Atividades de pesquisa autónoma que serão baseadas em questões de desenvolvimento e pesquisa. Para a prossecução dos OA1, OA4, OA5
M4 - Desenvolvimento de atividades de síntese dos conteúdos básicos, após exposição oral, onde os alunos terão um envolvimento pró-ativo. Para a prossecução de todos os objetivos.
A. Aulas Teóricas
A.1. Descrição: Exposição de forma atualizada, descritiva e organizativa (tipo “lectures”) apoiada em bibliografia (“material de estímulo”) sobre conceitos, teorias e postulados que estão na base dos conteúdos programáticos. Os alunos são convidados a responder a questões, a expressarem e fundamentarem a sua opinião e a contribuir, sendo a sua criatividade estimulada.
A.2. Objetivo: Fornecimento de conhecimentos para o desenvolvimento das competências da unidade curricular.
A aplicação das metodologias de ensino adotada para a componente teórica visa a aquisição e consolidação de conhecimento no domínio técnico-científico da unidade curricular, a melhoria da capacidade de aplicação dos conceitos à resolução de problemas práticos e a orientação do aluno para a aprendizagem autónoma.
B. Aulas Teórico-Práticas
B.1. Descrição: Combinam a dimensão teórica com a dimensão empírica no sentido de conjugar, sempre que possível, as conceções teóricas com a aplicabilidade prática.
B.2. Objetivo: Desenvolver aprendizagens contextualizadas em torno de questões fulcrais.
A aplicação das metodologias de ensino adotadas para a componente teórico-prática visa melhorar especificamente a capacidade de resolução de problemas, o treino dos cálculos implícitos e a identificação dos conceitos em cenário real. Adicionalmente, pretende-se também melhorar a interpretação e a análise crítica de resultados e da literatura científica, estimular os hábitos de pesquisa e a autoaprendizagem.
Deste modo, a interligação e complementaridade entre as componentes desta unidade curricular proporcionam um balanço ajustado entre os princípios teóricos e a sua aplicação mais prática permitindo o desenvolvimento integrado de aptidões e competências na área da epidemiologia. A abordagem dos temas articulando momentos de intervenção estruturada por parte dos docentes com períodos de apreciação coletiva em torno das questões em estudo e, de trabalho individual, pretende acentuar o facto de o desenvolvimento de aptidões e competências ser um processo holístico e contínuo de aprendizagem com um forte contributo de empenho e reflexão pessoal.

Bibliografia:

1. Gordis L. Epidemiology. 6 th ed., Elsevier Saunders, 2018. ISBN: 9780323552295.
2. Greenberg RS et al. Medical Epidemiology: Population Health and effective health care, 5th ed., McGraw Hill, 2015.
3. International Epidemiological Association. A Dictionary of Epidemiology. Porta M (Editor). 6th ed., Oxford University Press. 2014. ISBN-13: 978-0199976737.
4. Friedman, GD. Primer of Epidemiology, 5th ed. McGraw-Hill, 2004.
5. Beaglehole, R; Bonita, R; Kjellström, T. Basic Epidemiology, 2nd ed., WHO, 2006.
6. Hernández-Aguado, I; Gil, MA; Delgado-Rodriguez, M; Bolumar-Montrull, F. Manual de Epidemiologia y Salud Publica para Licenciaturas y Diplomaturas en Ciencia de la Salud, 2ª ed., Editorial Médica Panamericana, 2011.

UNIDADES CURRICULARES ECTS

Objetivos de aprendizagem:

Aquisição de competências que permitam reconhecer aspectos gerais das doenças infecciosas de origem bacteriana, o seu modo de disseminação, controlo, profilaxia, diagnóstico laboratorial e tratamento. Será dada particular relevância às infecções bacterianas emergentes e aos grupos bacterianos que exibem resistência a múltiplos antibióticos, abordando-se também as novas moléculas do armamentário terapêutico.

Conteúdos programáticos:

Aulas teóricas
Conceitos de infecciologia
Estudo das principais bactérias causadoras de infecção humana (características patogénicas, epidemiológicas, morfológicas, fisiológicas, bioquímicas; identificação laboratorial, controlo e tratamento):
Staphylococcus sp
Streptococcus sp
Enterococcus sp
Corynebacterium sp
Listeria sp
Gardnerella sp
Bacillus sp
Mycobacterium sp
Neisseria sp
Haemophilus sp
Bordetella sp
Legionella sp
Enterobacteriaceae
Vibrio sp, Aeromonas sp
Campylobacter sp, Helicobacter sp
Brucella sp
Pseudomonadaceae, Acinetobacter sp
Chlamydia sp
Mycoplasma sp, Ureaplasma sp
Spirochaetales
Rickettsiaceae
Anaeróbios
Aulas laboratoriais
Manipulação de amostras clínicas
Diagnóstico laboratorial de infeções bacterianas: Processamento de amostras clínicas; Identificação de espécies de interesse clínico (métodos clássicos e moleculares); Avaliação da susceptibilidade a antibióticos; Breve introdução à deteção de bactérias patogénicas em alimentos

Demonstração da coerência dos conteúdos programáticos com os objetivos de aprendizagem da unidade curricular:

Os conteúdos programáticos estão totalmente de acordo com os objetivos de aprendizagem da unidade curricular, uma vez que permitem ao estudante uma aquisição, integração e aplicação, de forma gradual e orientada, dos diversos conceitos, conhecimentos e metodologias fundamentais em Bacteriologia. A carga horária de cada um dos conteúdos está também adequada à aquisição dos conhecimentos e competências pelo estudante. Desta forma, o estudante deverá ser capaz de atingir os objectivos de aprendizagem definidos anteriormente.

Metodologias de ensino (avaliação incluída):

Forma de execução pedagógica das aulas teóricas: exposição dos conceitos teóricos, aplicação prática e debate destes, orientação do estudo autónomo.
Forma de execução pedagógica das aulas prático-laboratoriais: preparação, execução e discussão de resultados dos protocolos laboratoriais previstos que reforçam a aprendizagem teórica.
Avaliação contínua. A avaliação da disciplina segue o determinado na Normativa Académica de Funcionamento das Licenciaturas e Mestrados Integrados da UFP. Avaliação contínua teórica: 2 elementos de avaliação escrita. Os alunos que não atinjam nota positiva serão remetidos para exame. Avaliação contínua laboratorial: 2 elementos de avaliação prático-laboratorial. Na nota final a avaliação teórica terá uma ponderação de 80% e a prática laboratorial de 20%.

Demonstração da coerência das metodologias de ensino com os objetivos de aprendizagem da unidade curricular:

As metodologias de ensino (exposição teórica, debate, aplicação prática de conceitos e orientação do estudo autónomo e trabalho laboratorial) estão totalmente de acordo com os objetivos da unidade curricular, uma vez que permitem uma aquisição, reflexão, integração e aplicação graduais dos conhecimentos técnico-científicos. A carga horária de cada um dos conteúdos está também adequada ao cumprimento dos objectivos pretendidos.
A manipulação de amostras clínicas em ambiente laboratorial com a finalidade de identificar e caracterizar espécies bacterianas causadoras de infecção reforça os conhecimentos adquiridos sobre tópicos específicos da componente teórica, através da experimentação científica, e reforça a aquisição de competências.
A constante interação entre o docente e o estudante nas aulas de exposição e em sessões tutoriais e períodos de atendimento individual (em que o acompanhamento do estudante é feito de acordo com as suas necessidades e características individuais), permitirão a adequação do estudante aos objectivos propostos.
As provas de avaliação serão importantes para avaliar o conhecimento e competências técnico-científicas individuais, permitindo confirmar o cumprimento dos objectivos propostos. A resolução de casos clínicos, o aprofundamento de conhecimentos através de pesquisa ou a aplicação de conhecimentos adquiridos a situações já conhecidas, contribuirão para estimular a curiosidade científica, para promover a autonomia ao nível da pesquisa bibliográfica e gestão de referências, e para treinar competências de comunicação científica.

Bibliografia:

(1) Jorgensen, J. H., Pfaller, M. A., Carroll, K. C., Funke, G., Landry, M. L., Richter, S. S., Warnock, D. W. Manual of Clinical Microbiology- Volume 1. ASM Press, 2015 (11th edition).
(2) Barroso, H., Meliço-Silvestre, A., Taveira, N. Microbiologia Médica - Volume 1. Lidel, 2014.
(3) Sousa JC, Machado E, Novais C, Peixe L, Amorim J, Monteiro N. Antibióticos – Volume I. Edições UFP, 2016.
(4) Garcia, L. S. Clinical Microbiology Procedures Handbook, 3rd Edition. ASM Press, 2010 (3rd edition).
(5) Sousa, J. C., Cerqueira, F., Abreu, C. Microbiologia - Protocolos laboratoriais. Edições UFP, 2012 (2ª edição).
(6) Artigos científicos actuais.

Objetivos de aprendizagem:

A principal função da Química Clínica laboratorial é a de fornecer informação bioquímica necessária para o estudo do doente. Os testes bioquímicos são usados no diagnóstico, prognóstico, monitorização e despiste de doenças. Toda a informação recolhida terá valor quando obtida com o rigor necessário. Assim, pretende-se com esta disciplina que o aluno consiga compreender, executar e avaliar de forma adequada qualquer determinação bioquímica, de forma a permitir a avaliação correcta do estado do doente.

Conteúdos programáticos:

Equilíbrio hídrico e eletrolítico - revisões. Função renal. Função hepática. Função Gastrointestinal.
Avaliação nutricional.
Hipotálamo e a glândula pituitária. Glândula adrenal. Glândula Tiróide. Gonadas

Demonstração da coerência dos conteúdos programáticos com os objetivos de aprendizagem da unidade curricular:

A aprendizagem sobre a matéria constante no programa é a base fundamental para conseguir interpretar os resultados das análises que têm por objetivo a avaliação da função desses orgãos. Associado ao estudo da função dos orgãos, nas aulas PL os alunos aprendem a executar e a interpretar as determinações analíticas laboratoriais.

Metodologias de ensino (avaliação incluída):

O ensino será realizada através de exposição da matéria, em sala de aula, dos conteúdos programáticos e a execução de vários trabalhos de laboratório prático relacionado com o programa. O esquema de avaliação será contínua. Inclui a avaliação da componente teórica (50%) e prática (50%). A avaliação da componente teórica irá resultar da média de dois testes. A avaliação prática é o resultado da avaliação do aluno no laboratório que inclui a entrega de quatro fichas de trabalho (40% da nota prática), um teste prático (50%) e a postura e desempenho na aula prática (10% da nota prática).

Demonstração da coerência das metodologias de ensino com os objetivos de aprendizagem da unidade curricular:

A avaliação continua (em cada aula teórica e prática) e a avaliação escrita, permitem verificar os conhecimentos e as competências técnicas, tão importantes no seu desempenho profissional futuro.

Bibliografia:

Gaw, A. et al (2013). “Clinical Biochemistry – An illustrated colour text”. 5th Ed. Elsevier
Bishop, M. L. et al. (2010). “Clinical Chemistry – Techniques, Principles, Correlations”, 6th Ed. Volters Kluwer

Objetivos de aprendizagem:

Os exames hematológicos são usados no diagnóstico, prognóstico, monitorização e despiste de doenças; O programa teórico tem por objetivo a granulopoiese, a função e interação das 5 populações dos Glóbulos Brancos (GB) , a fisiopatologia das suas doenças benignas e malignas mais comuns. Pretende-se que os alunos adquiram uma boa base teórica e prática da da normalidade laboratorial para que estejam alerta nas alterações benignas e malignas.

Conteúdos programáticos:

Funções das 5 populações dos leucócitos. Alterações morfológicas e numéricas benignas: Leucocitoses e Leucopenias: Neutrofilos Linfocitos, Eosinofilos e Monocitos. Alterações malignas principios de oncobiologia: Mielodisplasias, Leucemias mielóides e linfóides agudas e crónicas, e síndromes mieloproliferativos, Linfomas: Oncogénes, Epidemiologia, Classificação, ajuda laboratorail ao diagnóstico.

Demonstração da coerência dos conteúdos programáticos com os objetivos de aprendizagem da unidade curricular:

Pretende-se que o aluno adquira bases solidas teóricas na hematologia teórica e dada a sua função futura como executores adquira competência para a prática laboratorial básica e especializada. Pretende-se também que saibam integrar conhecimentos, de outras disciplinas base, sentido crítico e foco na evolução e estudo contínuo.

Metodologias de ensino (avaliação incluída):

1. Aulas Teóricas (T) 1.1. Descrição: Exposição teórica sobre os diversos temas que constam do programa desta unidade curricular 1.2. Objetivo: Aquisição de conhecimentos para a correta execução prática das técnicas laboratoriais e a sua interpretação
2. Prática Laboratorial (PL):
3.A avaliação T será obtida com a média de 2 testes escritos.
4. Av Prática:
5: A avaliação final 50% da nota final T e 50% da PL

Demonstração da coerência das metodologias de ensino com os objetivos de aprendizagem da unidade curricular:

As aulas T participativas com a exposição, debate dos conceitos teóricos relevantes bem como a discussão de casos clínicos reais em sala de aula promovem o gosto pela profissão e a orientação do estudo autónomo dos alunos.
As aulas PL .....

Bibliografia:

1. Hoffbrand, A.V., Essential Haematology, Wiley Blackwell, 6ª edição
2. Dacie and Lewis, Pactical Haematology, Churchill Livingstone Elsevier, 11ª edição
3. Barbara Bain, Guia Prático das Células Sanguíneas, Artmed, 4ª edição
4. Clinical Diagnosis and Management by Laboratory Methods,
5. J. B. Henry, W.B. Saunders Company, McPherson Pincus, 22ª edição

Objetivos de aprendizagem:

No final o aluno deverá ser capaz de:
1. Conhecer as células e os órgãos do SI e compreender o seu funcionamento
2. Conhecer os principais componentes humorais do SI, respetiva função e estrutura molecular e compreender as suas propriedades e a relação desta com a estrutura molecular dos respetivos recetores celulares
3. Conhecer e compreender a ação do SI no combate à infeção, aos tumores e na regulação da homeostasia dos organismos
4. Compreender os mecanismos de ação dos vários tipos de vacinas.
5. Compreender os mecanismos fisiopatológicos associados às principais doenças causadas por hiperatividade ou défice do SI e as possibilidades terapêuticas disponíveis.
6. Compreender a nível molecular o papel da imunogenética no reconhecimento do antigénio e o seu papel no diagnóstico e na transplantação
7. Possuir as competências práticas para desenhar, executar, interpretar e validar resultados laboratoriais na área da Imunologia clínica e de investigação científica.

Conteúdos programáticos:

Programa Teórico: Noções Gerais do Sistema Imunológico (SI) :Sistema Inato e Sistema Imune adaptativo : linfócitos T e B; Populações B; D
MHC; Citoquinas; Resposta a infecções víricas, bacterianas e parasíticas; Imunização – passiva e activa; Imunodeficiências; Hipersensibilidades ; Tumores e Autoimunidade; O aluno deve ser capaz de discutir as bases tecnológicas e utilidade de técnicas imunológicas em análises clínicas.
Programa prático: Noções básicas de culturas celulares e de técnicas de separação celular; técnicas de diagnóstico citológico e serológicas; Separação de células mononucleares de sangue periférico e contagem celular; Imunocitoquimica; ELISA quantificação de imunoglobulinas e antigénios; métodos baseados no complemento; Imunohistoquimica, imunofluorescência e citometria de Fluxo; Purificação e criopreservação de células imunológicas; estudo de citoquinas; Estudo de doenças auto-imunes.

Demonstração da coerência dos conteúdos programáticos com os objetivos de aprendizagem da unidade curricular:

Com este programa pretende-se que o aluno se familiarize com os conceitos básicos, anatómicos e funcionais do sistema Imunitário envolvidos na resposta imune: células e órgãos. O aluno deve ser capaz, progressivamente, de ir sistematizando estes conceitos e reconhecendo as propriedades básicas dos antigénios e dos seus recetores, e como ser capaz de manipular /modular esta resposta imune. Será capaz de compreender a variedade de respostas imunológicas e as imunopatologias associadas: imunodeficiências, hipersensibilidades, tumores, autoimunidade e transplantes. Em paralelo com a apresentação global destes conceitos, de um ponto de vista prático o aluno deverá ser capaz de os integrar no contexto de técnicas de diagnóstico imunológico e avaliação da resposta imune, diagnosticando variadas patologias. Devem ser capazes de contextualizar a investigação científica moderna em Análises Clínicas, no âmbito da disciplina.

Metodologias de ensino (avaliação incluída):

Parte I: Exposição da informação dos conteúdos programáticos visando a aquisição de conhecimentos técnico-científicos (certificação através da realização de 2 testes escritos, 70%).
Parte II: Serão utilizadas metodologias diversas (análise de ferramentas metodológicas de natureza laboratorial e bioinformática) e a aplicação de procedimentos laboratoriais correntes em genética molecular visando uma melhor capacidade de adaptação dos futuros profissionais, com maior capacidade de operacionalidade quer nos processos de organização e execução do trabalho quer do raciocínio laboratorial, a qual será avaliada através da realização de 2 testes escritos (10%) e do desempenho do aluno em ambiente laboratorial (10%). A realização de um trabalho de pesquisa bibliográfica visando melhorar a autonomia do aluno ao nível da recolha, interpretação crítica de literatura científica, sistematização e apresentação de informação e será avaliado através de uma comunicação oral (10%).

Demonstração da coerência das metodologias de ensino com os objetivos de aprendizagem da unidade curricular:

Parte I: Os conhecimentos teóricos serão transmitidos com recurso a metodologia expositiva em sala de aula, recorrendo a slides e animações vídeo sempre que possível. Esta metodologia será complementada com sessões tutoriais tendencialmente individuais para orientação do estudo do aluno. Deste modo, os objetivos de aprendizagem subjacentes a esta parte da unidade curricular serão concretizados através de três abordagens: momentos de transmissão ativa de conhecimentos (baseados na literatura científica e na experiência profissional) orientados pelo docente, momentos de trabalho individual do aluno e ganho de autonomia (com recurso à bibliografia) e sessões tutoriais em que o acompanhamento do aluno é feito de acordo com as suas necessidades e características individuais.
Parte II: O desenvolvimento das capacidades práticas focar-se-á maioritariamente em ambiente laboratorial, em função do principal objetivo formativo do ciclo de estudos, sem esquecer que no laboratório de Genética Molecular dos dias de hoje, o intenso ciclo de inovação tecnológica obriga a que sejam dominadas técnicas laboratoriais e bioinformáticas. Assim, serão executados protocolos laboratoriais genéricos, de diagnóstico simples e de diagnóstico tecnologicamente avançado, mas também será dado relevo à abordagem prática da resolução de problemas bioinformáticos, a análise dos sempre crescentes e complexos fluxos de dados genéticos, bem como à utilização de ferramentas bioinformáticas para o desenvolvimento de novos testes genéticos de diagnóstico.

Bibliografia:

1) Fundamentos de Imunologia (2012) Fernando A. Arosa, Elsa M. Cardoso e Francisco C. Pacheco Arosa (eds) Lidel, (2ª Edição)
2) Basic Immunology (2019) Abul Abbas, Andrew Lichtman, Shiv Pillai. Elsevier (6th edition)
3) Medical Immunology (2001) Autores Tristram G. Parslow, Daniel P. Stites, Abba I. Terr, John B. Imboden, McGraw-Hill (10º edição)
4) Manual of Clinical Laboratory Immunology (2002)Autor(es) Rose et al. 6th ed. ASM Press

Objetivos de aprendizagem:

Pretende-se com esta disciplina que o aluno consiga compreender, executar e interpretar de uma forma critica e responsável um perfil analítico integrando conhecimentos das várias disciplinas.
O programa ( parte I), que visa o reforço dos conhecimentos das áreas fundamentais Bioquimica clínica: Repetindo técnicas fundamentais desde a correta instrução de preparação do utente, à escolha das amostras adequadas os tubos de colheita, a prática de cada colheita e separação e conservação das mesmas. Finalmente a repetição de técnicas de rotina no Diagnóstico.
Parte II- Pretende-se ainda Saber fazer, ler e avaliar um Hemograma;Saber fazer, ler e avaliar ‘estudos de coagulação’;Saber fazer, ler e avaliar a titulação de anticorpos e isoaglutininas no âmbito de transplante renal e/ou hepático incompatível, assim como a titulação de alo ou auto-anticorpos em gestantes.

Conteúdos programáticos:

1) Diagnóstico e ontrolo da Diabetes: Glicose jejum, Provas de Tolerancia, Hemoglobina glicosilada
2) Avaliação da função renal: Urina sumária com observação microscópica do sedimento; Clerarence de cretatinina , microalbuminúria
3) Provas de função hepatica: Enzimas e Bilirrubinas
4) Interpretação de casos clínicos para integração de conhecimentos, resolução de problemas, incentivando o pensamento crítico e aumentando a sua autonomia e o gosto pela pesquisa e aquisição de conhecimentos.
5)Hematologia- As contagens hematológicas. Valores de referência.
6)Trombose e Hemóstase- Apresentação da fisiologia da coagulação. Testes laboratoriais.
7)Doenças Hemorrágicas Hereditárias. Apresentação da temática da transfusão maciça.
8)Imuno-Hematologia Apresentação da importância da titulação de anticorpos e isoaglutininas: E a necessidade da aplicação desta técnica imuno hematológica no âmbito da transplantação renal e/ou Hepática, em doentes ABO incompatíveis.

Demonstração da coerência dos conteúdos programáticos com os objetivos de aprendizagem da unidade curricular:

Orientado pelo docente simulando um ambiente real desde a leitura de uma prescrição médica, colheita realização do procedimento prático, até à emissão de um boletim analítico e critica dos resultados , deverá incrementar o gosto pela pesquisa bibliográfica na investigação de topo nas diferentes áreas, sendo-lhe sugerida a leitura de vários artigos científicos e análise de casos clínicos.
Semanalmente, os alunos irão ter oportunidade de ‘fazer hemogramas’ e interpreta-los, percebendo alterações associadas a patologias Durante as aulas expositivas são dados vários exemplos de situações reais e actuais acerca dos vários assuntos, em estudo fazendo a ligação ‘laboratório- mundo trabalho

Metodologias de ensino (avaliação incluída):

Ensino: Simulação de ambiente real desde a prescrição até à emissão do resultado. A metodologia será expositiva com recurso permanente a casos clínicos relevantes no âmbito da matéria. Será feita uma avaliação contínuo dos discentes, avaliando: postura na aula, interesse e pesquisa sobre as temáticas. No fim do semestre, será feita uma única avaliação escrita que permitirá a docente avaliar a aprendizagem dos temas essenciais apresentado.
Avaliação: a) Contínua demonstrada pelo interesse e evolução da maturidade científica. (50% ) +b) avaliação final prática com a realização individual de um trabalho sorteado dos efetuados em aula (50%)

Demonstração da coerência das metodologias de ensino com os objetivos de aprendizagem da unidade curricular:

Orientado pelo docente através das formas de contacto (presenciais ou não) deverá incrementar o gosto pela pesquisa bibliográfica na investigação de topo em diferentes áreas, sendo-lhe sugerida a leitura de vários artigos científicos e análise de casos clínicos.

Bibliografia:

1.How to Interpret and Pursue an Abnormal Complete Blood Cell Count in Adults. Mayo Clin Proc. July 2005;80(7):923-93.
2.Clinical and Aplies Trombosis/Hemostasis 2017, vol 23 (8) 922-927.
3.Dahlgren US, Bennet W. ABO-Incompatible Liver Transplantation – A review of the historical background and results. Doi: 10.1080/08890185.2019.1601720
4.Statistical Methods in Laboratory Medicine, P. W. Strike, Butterworth Heinemann.
5.Clinical Chemistry –Theory, Analysis and Correlation, L. Kaplan, A. Pesce, The C.V. Mosby Company.
6.Clinical Diagnosis and Management by Laboratory Methods, J. B. Henry; W.B. Saunders Company.
7.Tietz: Text Book of Clinical Chemistry, Ed. C.A. Burtis, E.R. Ashwood, W.B. Saunders Company.
8. Dacie and Lewis, Pactical Haematology, Churchill Livingstone Elsevier, 11ª edição

Objetivos de aprendizagem:

Revisão e discussão atual do conhecimento em Virologia, com particular ênfase na sua importância para o desenvolvimento das competências dos profissionais de Saúde, versando diferentes áreas de atuação, como o diagnóstico clínico e laboratorial, tratamento, prevenção e controlo, e pesquisa bibliográfica corretamente fundamentada. Os alunos deverão ser capazes de reconhecer os sinais e sintomas das doenças, a sua forma de disseminação e a epidemiologia dado terem de ser capazes também de intervir a nível da Saúde Pública e no sentido incluindo a educação para a saúde.

Conteúdos programáticos:

Caracterização dos virus e sua intervenção como potenciais agentes causadores de doença. Mecanismos biológicos, patologias associadas, estrategias de prevençao e tratamento. Casos clínicos reais serão apresentados como exemplo na sedimentação dos conhecimentos nos modelos apresentados. Componente laboratorial: Manipulação de produtos biológicos e Identificação de infecções virais.
1. Introdução à Virologia.
2. Vírus causadores de hepatite
3. Infeções virais características da infância.
4. Infeção congénita por vírus e malformações fetais.
5. Infeções sexualmente transmissíveis
6. Infeções gastrentéricas virais
7. Infeção respiratória viral
8. Retrovírus. Infeção VIH/SIDA. Infeções virias em imunodeprimidos.
9. Arbovírus e vírus causadores de doença hemorrágica.
10. Picornavírus.
11. Vacinação. Bioterrorismo.
12. Vírus causadores de carcinomas.
13. Outros vírus com importância clínica

Demonstração da coerência dos conteúdos programáticos com os objetivos de aprendizagem da unidade curricular:

Dada a necessidade de consolidação de conhecimentos básicos e de uma constante atualização na área da Virologia, dada a sua constante evolução, quer a nível de doenças emergentes, que ao nível da utilização de novas metodologias e conceitos, os conteúdos programáticos incluem, não só os conhecimentos básicos, mas fazem referência a todas as temáticas mais atuais na área da virologia. Os conteúdos programáticos serão abordados numa perspetiva clínica, aproximando a exposição dos conteúdos às necessidades de resposta que se impõem ao profissional de saúde, pensando em termos de patologias. Nesse sentido o estudo das diferentes viroses com relevância clínica para o Homem, como focado nos conteúdos programáticos, prepara o aluno para este desafio profissional. Além disso, saber recolher as amostras corretamente, de acordo com a suspeita clínica, e interpretar os resultados são conhecimentos técnicos e científicos com enfase na parte prática da disciplina.

Metodologias de ensino (avaliação incluída):

A avaliação da disciplina compreenderá a realização de duas frequências (ponderação é de 80% na nota final), discussão de casos clínicos, pesquisa e resolução de casos reais e avaliação contínua ponderada (20%). A componente teórica terá uma ponderação de 80% e a laboratorial de 20% na nota final da unidade curricular.
Forma de execução pedagógica: Exposição e debate dos conceitos teóricos relevantes, orientação do estudo autónomo dos alunos por consulta da bibliografia recomendada. Brainstorming sobre questões pertinentes relacionadas com a matéria exposta . Relativamente à componente laboratorial a aprendizagem resulta dos trabalhos que reforçam a aprendizagem teórica.

Demonstração da coerência das metodologias de ensino com os objetivos de aprendizagem da unidade curricular:

As aulas envolvem a revisão e discussão atual do conhecimento em virologia com particular ênfase na sua importância para o desenvolvimento das competências dos profissionais de Saúde.
Dada a evolução constante da Virologia, pretende-se uma atualização de conhecimentos mas, principalmente, que o aluno adquira competências que lhes permitam fazer frente aos problemas que, como profissionais de saúde que já são, se lhes apresentam diariamente. Assim, a resolução de casos clínicos e situações reais, com recurso à bibliografia e orientação para utilizar o conhecimento científico atual às suas reais necessidades práticas, é um dos principais objetivos da disciplina. Assim, a discussão de conceitos, a discussão de casos clínicos e a aprendizagem baseada no problema, “problem based learning”, assumem-se como as metodologias mais apropriadas para atingir os objetivos.
As aulas teóricas são de natureza essencialmente expositiva, com apresentação e discussão de casos clínicos e situações reais. Será sempre fomentado o espírito crítico e o estudo autónomo.
Para as aulas teóricas usar-se-á a apresentação de diapositivos, sendo fornecida ao aluno a bibliografia nuclear para suporte ao estudo.
Nas aulas práticas o aluno aprenderá a metodologia e técnicas mais atuais para diagnóstico laboratorial das infeções, nomeadamente a cultura de células, a biologia molecular e as técnicas imunológicas. Será realizado o diagnóstico a partir de amostras clínicas, e a interpretação de resultados e a forma correta de os reportar.

Bibliografia:

Barroso et al., Microbiologia Médica Volume 1, 2014, LIDEL
Barroso et al., Microbiologia Médica Volume 2, 2014, LIDEL
Ferreira e Sousa, Microbiologia, 2009, LIDEL
Ferreira e Sousa, Microbiologia Volume 3, 2004, LIDEL
Infection prevention and control - guidance to action tools. Copenhagen: WHO Regional Office for Europe; 2021.
European Centre for Disease Prevention and Control/WHO Regional Office for Europe. HIV/AIDS surveillance in Europe 2021 – 2020 data. Stockholm: ECDC; 2021.
Artigos cientificos em:
www.highwire.org
www.sciencedirect.com
www.cdc.gov/eid

UNIDADES CURRICULARES ECTS

Objetivos de aprendizagem:

1 – Génese e evolução da União Europeia
1.1. As origens da “ideia europeia”
1.2. A evolução posterior à II Guerra Mundial
1.3. A fase da cooperação
1.4. A fase da integração
1.5. Distinção teórica dos diferentes estádios de integração económica
1.6. O processo de alargamento
1.7 Brexit
1. 8. A adesão de Portugal às Comunidades Europeias
1. 9. As revisões dos Tratados
2 – As instituições políticas: União Europeia e Portugal
2.1. Organização do poder político: em Portugal
2.2. Organização do poder político: na União Europeia

3 – Os Estados membros e o processo de decisão da União Europeia
3.1. O processo de decisão
3.2. Distribuição de competências entre a UE e os Estados
membros
3.3. O direito da União Europeia
3.4. Integração do direito da União Europeia nas ordens jurídicas nacionais
4 – As políticas comunitárias: questões gerais

Conteúdos programáticos:

Unidade I – Com a apresentação do processo de integração europeia pretende-se motivar os alunos para o conhecimento dos fenómenos políticos contemporâneos, bem como promover a leitura crítica fundamentada sobre o processo de integração.
Unidade II - A apresentação dos modelos das instituições políticas nacionais e europeias visa a compreensão por parte dos alunos dos modelos institucionais nacional e comunitário e da articulação entre os dois, bem como promover uma leitura crítica da integração económica europeia, na dimensão institucional.
Unidade III– Com a apresentação do modelo de tomada de decisão na União Europeia e de breves considerações sobre direito comunitário pretende-se fomentar a compreensão dos mecanismos decisórios da UE e o fornecimento da informação básica sobre direito comunitário.
Unidade IV – A apresentação de uma súmula sobre políticas comunitárias visa sensibilizar os alunos para a importância prática das políticas através de exemplos em áreas fundamentais.

Demonstração da coerência dos conteúdos programáticos com os objetivos de aprendizagem da unidade curricular:

Capacidade de compreensão e integração dos conhecimentos adquiridos;
- Aplicação dos conhecimentos adquiridos para melhor compreensão da realidade política europeia e nacional;
- Capacidade de análise crítica no âmbito dos assuntos europeus e nacionais;
- Capacidade de comunicação interpessoal e intergrupal.

Metodologias de ensino (avaliação incluída):

A metodologia de ensino incluirá exposição teórica, pesquisa, leitura e discussão de bibliografia específica bem como debates temáticos e reflexões críticas. A avaliação será contínua, baseando-se na realização de duas provas escritas de avaliação (50%+50%).

Demonstração da coerência das metodologias de ensino com os objetivos de aprendizagem da unidade curricular:

Unidade I- Exposição teórica de conteúdos caracterizadores da área de actuação; Apresentação e manuseamento do manual de apoio; Debates em grupo; Integrar conceitos, teorias e conhecimentos da área científica; Desenvolver competências de interação em sala de aula
Unidades II, III e IV - Exposição teórica de conteúdos para caracterização de cada temática; Revelar capacidade de comunicação oral e escrita dos conteúdos; Selecionar métodos de gestão de informação; Integrar conceitos, teorias e conhecimentos da área.

Bibliografia:

[1]CARDOSO, Carla Pinto, RAMOS, Cláudia, LEITE, Isabel Costa, CARDOSO, João Casqueira, VILA MAIOR, Paulo (2017), A União Europeia: Historia, Instituições e Políticas, 5ª Edição. Porto, Edições Universidade Fernando Pessoa.
[2]CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA PORTUGUESA.

Objetivos de aprendizagem:

Dotar os discentes de conhecimentos teóricos e práticos na área laboratorial no que concerne ao Controlo de Qualidade. Interno e Externo.
Conhecer as regras de Westgard. Conhecer os gráficos de Levey-Jennings. A importância de ambos no controlo laboratorial da qualidade. Tipo de erros.
Outro grande objetivo da unidade curricular é fornecer os conhecimentos para implementação de um sistema de gestão da qualidade de acordo com as normas 9001/2015 e NP EN ISO/IEC 17025:2005 especialmente no que diz respeito à validação dos métodos de ensaio.
Fornecer um conjunto de conhecimentos aprofundados, teóricos e práticos sobre a gestão da Qualidade nos serviços de saúde.
Dando a conhecer experiências e realidades no que respeita à implementação de projetos da Qualidade numa ligação permanente ao mundo do trabalho.

Conteúdos programáticos:

Controlo de Qualidade. A importância transversal, deste no âmbito laboratorial.
As regras de Westgard sua aplicação e importância no âmbito laboratorial.
Os gráficos de Levey-Jennings sua aplicação e importância no âmbito laboratorial.
A Norma ISO 9001: 2015.
1. Introdução à acreditação de laboratórios
1.1. Objetivos
1.2. Vantagens e obstáculos
1.3. Sistemas de Qualidade
2. Requisitos técnicos da Norma ISO 9001/2015
2.1 Responsabilidades de um gabinete de gestão da qualidade
2.2 Manual de qualidade e instruções de trabalho e procedimentos
2.3 Analise SWOT
3. Requisitos técnicos da Norma ISO 17025/2018
3.1 Acreditação de laboratórios de ensaio
3.2 Acreditação de laboratórios de calibração
3.3 Acreditação de laboratórios clínicos (ISO 15189)

Demonstração da coerência dos conteúdos programáticos com os objetivos de aprendizagem da unidade curricular:

Saber. Saber porque faz. Ser capaz de fazer. São as 'linhas mestras' desta uc. Ao discente pede-se que conheça todas as práticas laboratoriais no âmbito do Controlo de Qualidade. E seja capaz de contribuir para a implementação de um Sistema de Qualidade no âmbito de processos de certificação pela Norma ISO 9001: 2015 e NP EN ISO/IEC 17025:2017.

Metodologias de ensino (avaliação incluída):

As aulas são de cariz Teórico-prático, nas quais se faz uma exposição teórica dos vários conteúdos, permitindo, no entanto, uma interação frequente docente/aluno.
A avaliação terá um carater contínuo. No fim do semestre haverá um momento de avaliação escrita de forma a avaliar se os conhecimentos apresentados estão sedimentados. A nota final será a média do teste escrito e da avaliação contínua. A nota mínima para a aprovação é de 9,5 valores; abaixo da qual os alunos serão remetidos para exame.

Demonstração da coerência das metodologias de ensino com os objetivos de aprendizagem da unidade curricular:

Saber. Saber porque faz. Ser capaz de fazer. São as 'linhas mestras' desta cadeira. Ao discente pede-se que conheça todas as práticas laboratoriais no âmbito do Controlo de Qualidade. E seja capaz de contribuir para a implementação de um Sistema de Qualidade no âmbito da Norma 9001: 2015. E a NP EN ISO/IEC 17025:2017.

Bibliografia:

Statistical quality Control, 7th ed.,1996. E.L.Grant.R.S. Leavenworth
Introduction to Statistical Quality Control, 3rd ed.,1996. D.C. Montgomery
Fundamentals of Quality Control and Improvement 2nd ed.Amitava Mitra. Prentice Hall
Quality Planing and AnalysisJ.M. Juran,F.Gryna
Juran´s Quality Control Handbook.J.M. Juran.
ISO 9001: 2015 e NP EN ISO/IEC 17025:2017. Norma 15189.
Procedimentos para Acreditação laboratórios-Guia 2019.
Np_ISO 9000_2015.
Apcer Guia ISO 9001_2015
Guia aplicação da 17025_2018-Acred.lab ensaio e calibração.
Guia Aplicação 15189_2017-Acreditação Laboratórios Clínicos.
Despacho 10009_2019-Aprova manual boas práticas.

Objetivos de aprendizagem:

Compreender a natureza dos contributos da reflexão ética na Saúde.
Analisar criticamente as principais teorias éticas na sua relação de aplicabilidade ao contexto da saúde.
Saber fundamentar a sua decisão ética com base no raciocínio ético-valorativo.
Desenvolver competências axiológicas no processo de tomada de decisão ética.
Conhecer a legislação que enquadra esta profissão de Técnicos Superiores de Diagnostico e terapêutica (TSDT).

Conteúdos programáticos:

1ª Unidade - Conceitos fundamentais para o desenvolvimento do raciocínio ético: 1.1. Definições de ética, deontologia e moral.1.2 A regra de ouro da ética. 1.3. Comunicação e Humanização.
2ª Unidade – Deontologia profissional: 2. Os quatro princípios prima facie: 2.1. Beneficência; 2.2. Não-maleficência; 2.3. Autonomia; 24. Justiça. 2.5. As limitações éticas deontológicas no exercício da profissão; 2.6. Os testes genéticos. 2.7. Os códigos de ética associados às instituições de ensino e investigação. 2.8. As questões éticas e deontológicas associadas à Transplantação. 2.9. Transplante incompatível, questões éticas e legais.

Demonstração da coerência dos conteúdos programáticos com os objetivos de aprendizagem da unidade curricular:

Un. 1 - Os conteúdos programáticos privilegiam o aprofundamento de matérias teóricas específicas da ética e da bioética, permitindo, deste modo atingir os objetivos da unidade curricular, isto é: integrar conhecimentos, competências e capacidades para uma atuação ética.
Un. 2 - Os conteúdos programáticos privilegiam o aprofundamento da aplicação teórico-prática dos conhecimentos no domínio da deontologia, permitindo atingir os objetivos da unidade curricular, isto é: saber aplicar os conhecimentos ético-deontológicos adquiridos, de forma a evidenciar uma abordagem profissional; saber recolher, selecionar e interpretar a informação relevante, particularmente na sua área de formação, habilitando os estudantes a fundamentarem eticamente as soluções que preconizam e os juízos que emitem; saber resolver problemas ético-deontológicos no âmbito da sua área de formação e saber construir e fundamentar a sua própria argumentação ético-deontológica.

Metodologias de ensino (avaliação incluída):

A metodologia de ensino incluirá exposição teórica, pesquisa, leitura de bibliografia específica bem como debates temáticos e reflexões críticas. A avaliação será contínua, baseando-se na realização de 1 prova escrita (de índole teórica, relativa aos conteúdos éticos da u.c.). E a segunda parte, de índole teórico-prática, consistirá na elaboração de trabalhos. A nota final basear-se-á na média simples duas componentes, valendo cada uma delas 50% da nota final.

Demonstração da coerência das metodologias de ensino com os objetivos de aprendizagem da unidade curricular:

Unidade 1- Exposição teórica dos conceitos de ética, deontologia e moral, bem como da relação e diferença entre todos eles. Abordagem teórica da necessidade de empatia com o sofrimento dos outros. Leituras de textos fundamentais. Exercício teórico de consolidação dos conhecimentos adquiridos na unidade 1.
Unidade 2 – Exposição teórica com grande incidência na prática da atual carreira de Técnicos Superiores de Diagnóstico e Terapêutica. (TSDT). Características deste grupo profissional. A legislação que dá forma ao grupo dos TSDT de Análises Clínicas e o enquadramento com as ciências Biomédicas Laboratoriais. Aspetos da confidencialidade dos atos profissionais. O Consentimento informado. A gestão de recursos humanos, de equipamentos e de stocks. Exercício teórico ou trabalho de grupo.

Bibliografia:

EaD UNIVALI/EDUCON • SUPERIOR DE TECNOLOGIA, Moral e Ética: https://www.unitins.br/bibliotecamidia/Files/Documento/AVA_634274281944622778aula_6___apostila___inf_e_soc___tads_t2007.pdf
Motta, O.J.R. e Paulo, A.J.S. (2020). Bioética E O Principialismo de Beauchamp e Childress: Noções, Reflexões E Críticas. Braz. J. Hea. Ver 3 (2) 2436-2448.
Zanon, A. (2020). O princípio da alteridade de Lévinas como fundamento para a responsabilidade ética. Perseitas, 8. pp. 75-103.
Convenções de Helsínquia e Oviedo. investigação Biomédica. Testes genéticos. Transplantação. Manual Boas Práticas Laboratoriais.
Decreto-lei nº 110/2017 de 31 agosto 2017, 1ª série
Decreto-lei nº 111/2017 de 31 agosto 2017, 1ª série
Decreto-Lei nº 25/2019 de 11 de fevereiro de 2019, da 1ª série
Portaria 154/2020 de 23 de junho de 2020
Lei 34-2021 de 8 junho 2021
Outra documentação a ser disponibilizada pela docente posteriormente.

Objetivos de aprendizagem:

Esta unidade curricular deve sensibilizar os estudantes para o papel vital que a água representa na saúde do ecossistema planetário e nos processos bioquímicos dos organismos. Os alunos devem conhecer as restrições futuras que se impõem ao consumo de água sobretudo resultado da contaminação antropogénica generalizada dos ecossistemas e das conhecidas alterações climáticas em curso. Os alunos devem conhecer as propriedades físico-químicas e microbiológicas da água, sem esquecer os diferentes tipos de água destinados ao consumo humano e para fins laboratoriais e farmacêuticos, suas diferentes formas de obtenção, suas qualidades e suas diferentes utilizações. Os alunos devem ser capazes de realizar um processo analítico completo à água de consumo, desde a preparação prévia do material laboratorial, recolha da amostra, passando pela utilização de metodologias analíticas certificadas, adequada interpretação dos resultados e terminando na correta redação de um boletim analítico.

Conteúdos programáticos:

Propriedades físico-químicas da água e sua tradução ao nível das células, organismos e ecossistemas. A água potável como recurso natural, limitado e finito. A importância do ciclo biogeoquímico da água. Vias de contaminação natural e antropogénica dos cursos de água. Avaliação dos parâmetros de potabilidade de uma água destinada ao consumo humano, metodologias analíticas e legislação aplicável. Métodos de tratamento da água utilizados nas ETAs e ETARes. Algumas doenças associadas ao consumo de água contaminada. Normas nacionais e comunitárias sobre a qualidade da água. Impacto das alterações climáticas nos recursos hídricos.

Demonstração da coerência dos conteúdos programáticos com os objetivos de aprendizagem da unidade curricular:

A Hidrologia e Análises Hidrológicas é uma disciplina usual no contexto de formação de um Licenciado em Análises Clínicas e Saúde Pública. Na elaboração do conteúdo programático da disciplina teve-se em linha de conta a aquisição de conhecimentos teóricos atualizados e pertinentes no atual panorama que se impõe ao consumo de água, tal como hoje o concebemos, dadas as limitações qualitativas e quantitativas deste bem essencial, sobretudo resultado da contaminação antropogénica generalizada dos ecossistemas e das conhecidas alterações climáticas em curso. Deu-se particular atenção às propriedades, metodologias analíticas e critérios de qualidade da água destinada ao consumo humano, nomeadamente através da realização de protocolos padronizados no decurso das aulas práticas-laboratorais para controlo da potabilidade de uma amostra de água destinada ao consumo humano.

Metodologias de ensino (avaliação incluída):

As aulas terão tipologia teórica e prática-laboratorial. Nas sessões teóricas será dada ênfase à aquisição de conhecimentos básicos da disciplina por via da utilização de metodologias diversas (aulas expositivas, realização de trabalhos de grupo e discussão de artigos científicos) no âmbito da problemática da água destinada ao consumo humano. Nas aulas práticas-laboratoriais será privilegiada a avaliação da potabilidade de uma água por via de análises organoléticas, químicas e microbiológicas padronizadas. A avaliação da aquisição de competências por parte dos alunos na presente unidade curricular será efetuada através da realização de provas escritas de cariz teórico e prático privilegiando sempre que possível o modelo de avaliação continua.

Demonstração da coerência das metodologias de ensino com os objetivos de aprendizagem da unidade curricular:

Durante a execução pedagógica desta unidade curricular será tido em linha de conta a natureza particular da tipologia da aula em curso. Nas sessões teóricas irá se privilegiar a aquisição, compreensão e aplicação de conhecimentos básicos através de aulas presenciais em que o docente com o apoio de dispositivos multimédia ira leccionar os conteúdos programáticos sempre num papel de facilitador e organizador de temáticas privilegiando uma perspectiva de intercâmbio activo com os alunos. Finalmente nas sessões práticas laboratoriais os alunos irão determinar um conjunto de parâmetros organoléticos, físico-quimicos e microbiológicos de uma água seguindo uma metodologia analítica certificada onde aplicarão os conhecimentos adquiridos na componente teórica. O acompanhamento fora da sala de aula, que não se resume as horas de atendimento ao aluno, será também fundamental no desenvolvimento das competências pretendidas.

Bibliografia:

1. Aga D. 2008. Fate of Pharmaceuticals in the Environment and in Water Treatment Systems. London: CRC Press
2. Ahuja S. 2013. Monitoring Water Quality: Pollution Assessment, Analysis, and Remediation. New York: Elsevier Science
3. Binnie C, Kimber M. 2013. Basic Water Treatment. London: ICE Publishing
4. Drinan J. 2000. Water and wastewater treatment: a guide for nonengineering professionals. London: CRC Press
5. Gray NF. 2008. Drinking water quality: problems and solutions. Dublin: Cambridge University Press
6. Mendes B, Oliveira JFS (2006) Qualidade da Água para Consumo Humano. Lisboa: Lidel
7. Selendy JMH. 2011. Water and Sanitation Related Diseases and the Environment: Challenges, Interventions and Preventive Measures. New York: John Wiley & Sons.

Objetivos de aprendizagem:

Dotar os discentes de conhecimentos teóricos e práticos na área da ImunoHemoterapia.
Fornecer saberes para um bom desempenho no laboratório, contributo imprescindível para uma Medicina Transfusional de qualidade. As "aulas práticas", serão a aplicação prática dos conceitos teoricamente expostos. Pretende-se assim dotar os discentes de capacidade teórico-prática aplicável à sua futura situação de profissionais de Análises Clínicas e Saúde Pública a exercerem a sua atividade num serviço de Medicina Transfusional independentemente da dimensão destes.

Conteúdos programáticos:

Revisão dos conceitos básicos de Hematologia, Genética e Imunologia aplicados à Medicina Transfusional, Reações antigénio anticorpo nos eritrócitos sua deteção. Os sistemas sanguíneos, particular relevo aos Sistemas ABO e Rh. O percurso da dádiva benévola de sangue da colheita, triagem, fracionamento até à sua aplicação ao doente. A compatibilidade Transfusional. A terapêutica Transfusional. Deteção e identificação de anticorpos. A Doença hemolítica do Recém-nascido. As reações transfusionais.

Demonstração da coerência dos conteúdos programáticos com os objetivos de aprendizagem da unidade curricular:

A ideia chave desta UC é conhecer a espinha dorsal desta área de saber. Da dádiva à transfusão.
Dotar os discentes de conhecimentos teóricos e práticos na área da Imuno-Hemoterapia.
Fornecer saberes para um bom desempenho no laboratório, contributo imprescindível para uma Medicina Transfusional de qualidade.
Revisão de conceitos básicos da Hematologia.
Conceitos básicos da Genética aplicados à Medicina Transfusional.
Conceitos básicos da Imunologia aplicados à Medicina Transfusional.
Reações antigénio anticorpo nos eritrócitos sua deteção.
Serologia dos grupos sanguíneos. O Sistema ABO, sistema Rh. Outros sistemas sanguíneos.
Dádiva, preparação e armazenamento.
Preparação de componentes
Testes pré-transfusionais e de compatibilidade.
Deteção e identificação de anticorpos.
A doença hemolítica do recém-nascido.
A terapêutica Transfusional.
Reações transfusionais.
Segurança, Controlo de qualidade e armazenamento de dados. Legislação.

Metodologias de ensino (avaliação incluída):

A avaliação terá um carater contínuo. No fim do semestre haverá um momento de avaliação escrita de forma a avaliar se os conhecimentos apresentados estão sedimentados. A nota final será a média do teste escrito e da avaliação contínua no que se refere à componente teórica. (correspondendo a 50% da nota final)
A avaliação prática terá também carater continuo, serão pedidos cinco relatórios associados aos trabalhos práticos elaborados em sala de aula. Será motivo de avaliação a apresentação de um poster/ou capítulo de livro com significado essencial para a prática desta UC. Será feito no final do semestre um teste relativo a qualquer um dos relatórios entregues. A nota final da UC prática, será a média do somatório dos três momentos referidos (correspondendo a 50% da nota final) A nota final, será a media do somatório dos dois momentos (teórico-prático). A nota mínima para a aprovação é de 9,5 valores; abaixo da qual os alunos serão remetidos para exame.

Demonstração da coerência das metodologias de ensino com os objetivos de aprendizagem da unidade curricular:

A ideia chave desta UC é conhecer a espinha dorsal desta área de saber. Da dádiva à transfusão. Dotar os discentes de conhecimentos teóricos e práticos na área da Imuno-Hemoterapia.
Fornecer saberes para um bom desempenho no laboratório, contributo imprescindível para uma Medicina Transfusional de qualidade. Revisão de conceitos básicos da Hematologia.
Conceitos básicos da Genética aplicados à Medicina Transfusional.
Conceitos básicos da Imunologia aplicados à Medicina Transfusional.
Reações antigénio anticorpo nos eritrócitos sua deteção.
Serologia dos grupos sanguíneos. O Sistema ABO, sistema Rh. Outros sistemas sanguíneos.
Dádiva, preparação e armazenamento.
Preparação de componentes
Testes pré-transfusionais e de compatibilidade.
Deteção e identificação de anticorpos.
A doença hemolítica do recém-nascido.
A terapêutica Transfusional.
Reações transfusionais.
Segurança, Controlo de qualidade e armazenamento de dados. Legislação.

Bibliografia:

Sebenta a fornecer pela docente para organização dos temas teóricos e de todas as técnicas de carácter prático.
Legislação portuguesa, aplicada à dadiva, manuseamento e gestão das unidades de sangue.
Harmening, Denise. Modern Blood Banking & Transfusion Ptactices. 6th ed. Chicago, USA;2012.
Vengelen-Tyler (ed) Technical Manual, 17 th ed. Bethesda, Md: American Association of Blood Banks.
Hillyer C; Shaz B; Zimring J; Abshire T. Tranfusion Medicine and Hemostasis. Elsevier.
Flynn, John, Essentials of Imunohematology, Saunders,1998.
Rudmann, Sally, Textbook of blood banking and transfusion medicine, Saunders,1995.
Ortho Diagnostics. Blood Group antigens and antibodies as applied to haemolytic disease of the newborn. Raritan,NJ: Ortho Diagnostics.1968.

Objetivos de aprendizagem:

Patologia Clínica objetiva oferecer conhecimento dos mecanismos básicos das doenças; estudo morfológico macro e microscópico de processos patológicos gerais,às causas e ao desenvolvimento situações não normais Relacionar, interpretar processos clínicos da doença, sintomas, sinais manifestados com resultados analíticos Fornecer detalhes efetivos suficientes sobre doenças, fatores de predisposição, efeitos locais,consequências naturais de cada caso patológico Indicar processos relevantes nos quais investigação laboratorial pode estabelecer etiologia da doença,auxiliar na proposta terapêutica recomendada pelo médico Para uma compreensão precisa dos mecanismos patológicos abordados ao longo das aulas essencial que aluno tenha presente conhecimentos adquiridos nas unidades curriculares: Anatomia, Fisiologia, Bioquímica, Histologia, Anatomia Patológica, Microbiologia, Imunologia, Hematologia

Conteúdos programáticos:

Patologia clínica,Lesão celular/adaptação Inflamação aguda/crónica,desordens hídricas/hemodinâmicas Patologias cardiovasculares arteriosclerose; aterosclerose, aneurismas, varizes,varicoses,pericardites; derrames; miocardites,hipertensão,coronariopatias,angina de peito,insuficiência cardíaca,enfarte,Patologias digestivas: hepáticas,vias intra,extra-hepáticas,vesícula biliar,icterícia, cirrose, hepatites, insuficiência hepática, carcinoma hepatocelular,colestases, colangites,litíase biliar,Patologias pancreáticas:pancreatites aguda,crónica, obstrução ductos pancreáticos,diag. laboratorial:diabetes mellitus,Patologias renais,vias urinárias:síndromes nefrótica/nefrítica; insuficiência aguda/crónica; nefro-urolitíases,pielonefrites, ureterites,cistites,uretrites

Demonstração da coerência dos conteúdos programáticos com os objetivos de aprendizagem da unidade curricular:

Na organização pedagógico-científica das aulas de Patologia Clínica foram selecionados temas abrangentes e ligantes que suscitem justificadamente a adesão e participação do aluno e ainda, que motivem e despertem a sua curiosidade científica. Sempre que possível, tentaremos relacionar as alterações patológicas com manifestações clínicas da doença. Assim, o aluno será orientado no sentido de interpretar a semiologia do doente, a integrar a mesma nos processos fisiopatológicos subjacentes e a apurar a sua capacidade de relacionar e interpretar os parâmetros analíticos requisitados. Neste contexto, procura-se essencialmente estimular no aluno a capacidade de compreensão das alterações dos mecanismos das funções corporais, da recolha e interpretação de resultados analíticos dos meios auxiliares de diagnóstico

Metodologias de ensino (avaliação incluída):

AVALIAÇÃO TEÓRICA (80%) Teste escrito será elaborado de modo a abranger uma amostra representativa dos temas trabalhados ao longo das aulas. Terá duração de 60 minutos.
AVALIAÇÃO PRÁTICA (20%) Perguntas em teste escrito e/ou apresentação oral de trabalhos realizados pelos alunos, individualmente, onde será apreciado o desempenho e capacidade de crítica do aluno em abordagens semiológicas com resultados de parâmetros analíticos diversos
A classificação final resulta da ponderação de 80% CT e de 20% PL. O aluno será declarado aprovado se obtiver uma classificação final igual ou superior a 09,50 valores.

Demonstração da coerência das metodologias de ensino com os objetivos de aprendizagem da unidade curricular:

A metodologia de ensino centrada na informação teórico-prática e prática dos temas abordados, incluindo a utilização de recursos didácticos apropriados, como vídeos e modelos anatómicos, está devidamente adequada ao processo de aprendizagem da unidade curricular de Patologia Clínica no plano curricular de Análises Clínicas e Saúde Pública. Relativamente ao aluno, não será suficiente estar presente e tomar apontamentos. Esperamos que tenha uma participação ativa, sempre que solicitado. Sugestões construtivas e ideias que visem melhorarem as aulas, em particular na sua clareza e vertente pedagógica serão apreciadas

Bibliografia:

Denis L. Kasper; Lasrry Jameson; Dan L. Longo; Stephen L. Hauser; Anthony S. Fauci; Eugene Braunwald. Harrison´s Principles of Internal Medicine - 18ª Edition: Mc Graw-Hill
Kumar, V.; Abbas A.K.; Aster, J.C. Robbins & Cotran Pathologic Basis of Disease, (Robbins Pathology), 10th Edition, Elsevier, 2020
Ronald and Sacher. (2001). “Widman, Interpretação Clínica de Exames Laboratoriais”. 11º ed., Editora Manole
Rubin, E.; Gorstein, F.; Rubin, R.; Schwarting, R.; and Strayer, D. (2006).“Rubim - Patologia: Bases Clínicopatológicas da Medicina”. 4ª ed., Guanabara Koogan
Thomas C. King. (2007). “Patologia – Série Elsevier de Formação Bá sca Integrada”. Elsevier Editora Ltda.
Widmaier, E.; Raff, H.; Strang, K. (2006). “Vander, Sherman & Luciano, Fisiologia Humana: Os Mecanismos das Funções Corporais”. 9ª ed., Guanabara Koogan S.A.

UNIDADES CURRICULARES ECTS

Objetivos de aprendizagem:

O principal objetivo da Bromatologia é o estudo dos alimentos. Pretende-se que o aluno, como futuro profissional na área da saúde, adquira conhecimentos e competências que lhe permitam solucionar problemas essencialmente a nível do controlo da qualidade e da segurança dos produtos alimentares, numa perspectiva terapêutica e relacionada com a promoção da saúde, na área das ciências da saúde.

Conteúdos programáticos:

COMPONENTE TEÓRICA
Introdução à Bromatologia, Alimentação racional, saudável e equilibrada. Composição global dos alimentos (constituintes desejáveis – água, prótidos, hidratos de carbono, lípidos, sais minerais, vitaminas, aditivos alimentares, corantes naturais e compostos responsáveis pelo aroma/sabor; constituintes indesejáveis). Classificação dos alimentos. Controlo de qualidade alimentar. Embalagens, rotulagem, métodos de conservação alimentar e marketing.
COMPONENTE LABORATORIAL
Análise global de uma refeição (teor de humidade; teor de cinzas; teor de matéria gorda por extração em Soxhlet; teor em azoto total pelo método de Kjeldahl). Ensaios de controlo analítico de diversos produtos alimentares: Ensaios de controlo analítico do leite. Ensaios de controlo analítico do azeite. Ensaios de controlo analítico do vinho.

Demonstração da coerência dos conteúdos programáticos com os objetivos de aprendizagem da unidade curricular:

A Bromatologia a Análises Bromatológicas visa aumentar os conhecimentos gerais de um aluno que frequente uma licenciatura na área das Ciências da Saúde, permitindo que o mesmo desenvolva competências mais amplas na sua carreira profissional. A componente teórica e prática desta disciplina reúne conceitos teóricos e técnicas analíticas usadas de modo transversal em diferentes áreas do conhecimento. Esta unidade curricular permite dar a conhecer os macro e micronutrientes presentes no alimento; Alterações químicas e nutricionais que ocorrem durante o processamento alimentar e métodos de conservação; Procedimentos analíticos usados na avaliação da qualidade do alimento; Fraudes; Rotulagem; Aditivos alimentares. Estes conhecimentos teóricos adquiridos possibilitarão o prosseguimento dos estudos no contexto laboratorial. O programa da unidade curricular procura assim fornecer uma formação teórica básica, sempre numa perspetiva de aplicação prática dos conceitos lecionados.

Metodologias de ensino (avaliação incluída):

As aulas teóricas são ministradas em slides (fornecidos pelo professor), seguindo a ordem do currículo pré-definido, e apoiadas em referências com alta credibilidade científica. As aulas práticas serão em laboratório, apoiadas em um livro de protocolos (elaborado pelo professor) e sua implementação abrange diversas técnicas analíticas, geralmente aplicadas no controle da qualidade dos alimentos.
Avaliação (regime de ensino à distância):
Componente teórica (60%): exame final; Componente laboratorial (40%): dois testes escritos (20% + 20%).
O aluno só se considera "Aprovado" quando a nota final de ambas as componentes (teórica e prática) for igual ou superior a 9,5 valores. Esta avaliação foi feita especificamente para este ano letivo, face à situação de pandemia mundial.

Demonstração da coerência das metodologias de ensino com os objetivos de aprendizagem da unidade curricular:

No final desta unidade curricular, os alunos deverão conhecer os nutrientes fundamentais presentes nos alimentos; saber reconhecer a sua importância para a promoção da saúde; adquiri conhecimentos técnicos e fundamentais para a avaliação da qualidade do alimento e no controlo de qualidade do mesmo (falsificação; deterioração; valor nutricional e interpretação do rótulo). Terão conhecimentos sobre alimentos transformados e específicos, permitindo distinguir cada género alimentício, numa perspetiva mais abrangente. As duas componentes (teórica e prática) desta unidade curricular estão interligadas e complementam-se: nas aulas teóricas serão lecionados os fundamentos teóricos dos conteúdos programáticos, consolidados pela realização de aulas práticas laboratoriais escolhidas para esse efeito. Para além disso, a utilização de um conjunto de materiais de estudo criados propositadamente, assim como as sessões de apoio para esclarecimento de dúvidas e as atividades de avaliação de conhecimentos, permitem um elevado nível de ajustamento entre as metodologias utilizadas e os objetivos da unidade curricular.
No fim da lecionação da unidade curricular, os alunos deverão conseguir aplicar os conhecimentos adquiridos em situações novas, quer seja em contexto de trabalho ou no prosseguimento de estudos.

Bibliografia:

1. Picó, Y.; Chemical Analysis of Food: Techniques and Applications; Academic Press, Elsevier; San Diego, USA. 2012. ISBN 978-0-12-384862-8
2. Salinas, R.D. Alimentos e Nutrição: Introdução à bromatologia. 3ª Edição. Artmed Ed. São Paulo, Brasil. 2002. ISBN 85-7307-991-6
3. Srinivasan Damodaran, Kirk L. Parkin, Owen R. Fennema's food chemistry. 4rd Edition. 2008. ISBN 0-849392-72-1.
4. Koblitz, M.G.B. Bioquímica de Alimentos. Teoria e aplicações práticas. 1ª Edição. LAB Ed., Rio de Janeiro, Brasil. 2008. ISBN 978-85-277-1384-9
5. Koblitz, M.G.B. Matérias-primas Alimentícias. Composição e Controlo de Qualidade. 1ª Edição. Guanabara Koogan Eds. Rio de Janeiro, Brasil. 2011 ISBN 9788527718158.

Objetivos de aprendizagem:

O objectivo da presente unidade curricular é fazer com que os alunos adquiram competências que lhes permitam reconhecer aspectos gerais das doenças infecciosas de origem parasitária e fúngica, o seu modo de disseminação, diagnóstico, controlo, profilaxia e tratamento. O aluno deverá ainda ser capaz de recolher e manipular as amostras clínicas e executar corretamente o diagnóstico laboratorial das infeções.

Conteúdos programáticos:

Aulas teóricas
Estudo das características patogénicas, epidemiológicas, morfológicas, fisiológicas, metabólicas e de virulência dos vários fungos e parasitas com relevância clínica para o Homem. Micoses superficiais, subcutâneas, sistémicas e oportunistas. Estudo dos helmintas e protozoários de importância clínica.
Aulas práticas
Manipulação de produtos biológicos. Identificação de leveduras, fungos filamentosos e parasitas com interesse clínico.

Demonstração da coerência dos conteúdos programáticos com os objetivos de aprendizagem da unidade curricular:

Os alunos deverão ser capazes de reconhecer os sinais e sintomas das doenças, a sua forma de disseminação e epidemiologia, dado terem de ser capazes de intervir a nível da Saúde Pública no sentido da educação para a saúde. Nesse sentido o estudo das diferentes micoses e parasitoses com relevância clínica para o Homem, como focado nos conteúdos programáticos, prepara o aluno para este desafio profissional. Além disso, como analista clínico, deve saber recolher e manipular as amostras clínicas corretamente, de acordo com a suspeita clínica, realizar corretamente o diagnóstico e interpretar os resultados. São esses conhecimentos técnicos e científicos que são transmitidos aos alunos na parte prática da disciplina.

Metodologias de ensino (avaliação incluída):

Avaliação contínua. A avaliação da disciplina segue o determinado na Normativa Académica de Funcionamento das Licenciaturas e Mestrados Integrados da UFP. Avaliação contínua teórica: 2 elementos de avaliação. Os alunos que não atinjam nota positiva serão remetidos para exame. Avaliação contínua laboratorial: 2 elementos de avaliação. Na nota final a avaliação teórica terá uma ponderação de 80% e a prática laboratorial de 20%.
Forma de execução pedagógica: Exposição e debate dos conceitos teóricos relevantes em sala de aula, orientação do estudo autónomo dos alunos por consulta da bibliografia recomendada. Brainstorming sobre questões pertinentes relacionadas com a matéria exposta em sala de aula. Relativamente à componente laboratorial a aprendizagem resulta da execução laboratorial dos trabalhos que reforçam a aprendizagem teórica.

Demonstração da coerência das metodologias de ensino com os objetivos de aprendizagem da unidade curricular:

As aulas teóricas são de natureza essencialmente expositiva, com apresentação e discussão de casos clínicos e situações reais. Será sempre fomentado o espírito crítico e o estudo autónomo.
Para as aulas teóricas usar-se-á a apresentação de diapositivos, sendo fornecida ao aluno a bibliografia nuclear para suporte ao estudo.
Nas aulas práticas o aluno aprenderá as metodologias e técnicas mais atuais para diagnóstico laboratorial das infeções de origem fúngica e parasitária, nomeadamente as técnicas clássicas, de biologia molecular e imunológicas. Será realizado o diagnóstico a partir de amostras clínicas, e a interpretação de resultados e a forma correta de os reportar.

Bibliografia:

(1) Manual of Clinical Microbiology- Volume 2. James H. Jorgensen, Michael A. Pfaller, Karen C. Carroll, Guido Funke, Marie Louise Landry, Sandra S. Richter, David W. Warnock. ASM Press, 2015.
(1) Jorgensen, J. H., Pfaller, M. A., Carroll, K. C., Funke, G., Landry, M. L., Richter, S. S., Warnock, D. W. Manual of Clinical Microbiology - Volume 2. (11th edition). ASM Press, 2015.
(2) Barroso, H., Meliço-Silvestre, A., Taveira, N. Microbiologia Médica - Volume 2. Lidel, 2014.
(3) Neves, D. P. Parasitologia Humana. Atheneu, 2012.
(4) Ash, L., Orihel, T. Atlas de Parasitologia Humana. 5ª ed. Editorial Medica Panamericana, 2010.
(5) Goering, R., Dockrell, H., Zuckerman, M., Roitt, I., Chiodini, P. Mims’ Medical Microbiology (5th edition). Saunders/Elsevier, 2013.
(6) Infection prevention and control - guidance to action tools. Copenhagen: WHO Regional Office for Europe; 2021.

Objetivos de aprendizagem:

O estágio de aprendizagem é uma disciplina que contempla um total de 400 horas divididas por onze semanas e em que se pretende que o aluno:
- Desenvolva e aprofunde conhecimentos teóricos e práticos específicos em ambiente real de exercício profissional (laboratórios de análises clínicas e de imunohemoterapia).
- Desenvolva uma visão integrada do exercício profissional, tomando conhecimento de todos os aspectos que vão da recepção dos doentes ao contacto com as autoridades de saúde, passando pela logística básica (aquisição de reagentes, manutenção do equipamento, etc.)
- Desenvolva uma atitude profissional face ao doente e a todas as restantes pessoas com quem contacta no ambiente laboratorial: administrativos, técnicos, técnicos superiores, especialistas, etc.

Conteúdos programáticos:

O estágio de aprendizagem é uma disciplina que contempla um total de 400 horas divididas por onze semanas (de segunda a sexta-feira – 7 horas por dia – e sábados – 5 horas), e em que se pretende que o aluno aprofunde conhecimentos e aperfeiçoe e aplique técnicas laboratoriais novas em ambiente real de exercício profissional, ou seja, num laboratório de análises clínicas de grande dimensão. São consideradas áreas obrigatórias para a formação do aluno as áreas da Bioquímica, Hematologia, Bacteriologia, Imunologia e Endocrinologia, as quais deverão ter uma expressão muito significativa nos locais de realização do estágio.

Demonstração da coerência dos conteúdos programáticos com os objetivos de aprendizagem da unidade curricular:

O aluno estagiário irá aplicar os conhecimentos adquiridos nas diferentes unidades curriculares e desenvolver o seu espírito crítico em contexto real de trabalho nas diferentes áreas de laboratoriais.
Este trabalho em ambiente real permite:
- Desenvolver e aprofundar conhecimentos teóricos e práticos específicos em ambiente real de exercício profissional.
- Desenvolver uma visão integrada do exercício profissional, tomando conhecimento de todos os aspectos que vão da recepção dos doentes ao contacto com as autoridades de saúde, passando pela logística básica (aquisição de reagentes, manutenção do equipamento, etc.)
- Desenvolver uma atitude profissional face ao doente e a todas as restantes pessoas com quem contacta no ambiente laboratorial: administrativos, técnicos, técnicos superiores, especialistas, etc.

Metodologias de ensino (avaliação incluída):

O regime de avaliação será contínuo. O aluno deverá elaborar o relatório de estágio e realizar uma defesa pública do trabalho realizado durante o estágio. A acompanhar o relatório de estágio deverá estar anexada a grelha de avaliação do orientador de estágio. A classificação final da unidade curricular da Prática Clínica II incluirá uma reflexão conjunta com o orientador de estágio e o supervisor do estágio.

Demonstração da coerência das metodologias de ensino com os objetivos de aprendizagem da unidade curricular:

A avaliação continua do estágio, a apresentação oral e defesa do trabalho efetuado permitem verificar os conhecimentos e as competências adquiridas pelos alunos.

Bibliografia:

1. Statistical Methods in Laboratory Medicine, P. W. Strike, Butterworth Heinemann.
2. Clinical Chemistry, W. J. Marshall, Mosby.
3. Clinical Chemistry –Theory, Analysis and Correlation, L. Kaplan, A. Pesce, The C.V. Mosby Company.
4. Clinical Diagnosis and Management by Laboratory Methods, J. B. Henry, W.B. Saunders Company.
5. Tietz: Text Book of Clinical Chemistry, Ed. C.A. Burtis, E.R. Ashwood, W.B. Saunders Company.
6. Bulas dos equipamentos

UNIDADES CURRICULARES ECTS

Objetivos de aprendizagem:

- Desenvolver e aprofundar conhecimentos teóricos e práticos específicos em ambiente real de exercício profissional (grande laboratório de análises clínicas).
- Desenvolver uma visão integrada do exercício profissional, tomando conhecimento de todos os aspectos que vão da recepção dos doentes ao contacto com as autoridades de saúde, passando pela logística básica (aquisição de reagentes, manutenção do equipamento, etc.)
- Desenvolver uma atitude profissional face ao doente e a todas as restantes pessoas com quem contacta no ambiente laboratorial: administrativos, técnicos, técnicos superiore

Conteúdos programáticos:

O estágio de aprendizagem é uma disciplina que contempla um total de 650 horas divididas por onze semanas (de segunda a sexta-feira – 8 horas por dia), e em que se pretende que o aluno aprofunde conhecimentos e aperfeiçoe e aplique técnicas laboratoriais novas em ambiente real de exercício profissional, ou seja, num laboratório de análises clínicas de grande dimensão.
São consideradas áreas obrigatórias para a formação do aluno as áreas da Bioquímica, Hematologia, Bacteriologia, Imunologia e Endocrinologia, as quais deverão ter uma expressão muito significativa nos locais de realização do estágio.

Demonstração da coerência dos conteúdos programáticos com os objetivos de aprendizagem da unidade curricular:

Este trabalho em ambiente real permite: - Desenvolver e aprofundar conhecimentos teóricos e práticos específicos em ambiente real de exercício profissional (laboratório de análises clínicas e anatomia patológica).
- Desenvolver uma visão integrada do exercício profissional, tomando conhecimento de todos os aspectos que vão da recepção dos doentes ao contacto com as autoridades de saúde, passando pela logística básica (aquisição de reagentes, manutenção do equipamento, etc.)
- Desenvolver uma atitude profissional face ao doente e a todas as restantes pessoas com quem contacta no ambiente laboratorial: administrativos, técnicos, técnicos superiores, especialistas, etc.

Metodologias de ensino (avaliação incluída):

O regime de avaliação será contínuo. Inclui uma apresentação oral e discussão do trabalho realizado.

Demonstração da coerência das metodologias de ensino com os objetivos de aprendizagem da unidade curricular:

A avaliação continua do estágio, a apresentação oral e defesa do trabalho efetuado permitem verificar os conhecimentos e as competências adquiridas pelos alunos.

Bibliografia:

1. Statistical Methods in Laboratory Medicine, P. W. Strike, Butterworth Heinemann.
2. Clinical Chemistry, W. J. Marshall, Mosby.
3. Clinical Chemistry –Theory, Analysis and Correlation, L. Kaplan, A. Pesce, The C.V. Mosby Company.
4. Clinical Diagnosis and Management by Laboratory Methods, J. B. Henry, W.B. Saunders Company.
5. Tietz: Text Book of Clinical Chemistry, Ed. C.A. Burtis, E.R. Ashwood, W.B. Saunders Company.
6. Manuais dos equipamentos

UNIDADES CURRICULARES ECTS

Objetivos de aprendizagem:

Aprender os conceitos teóricos sobre a implementação de um projecto de investigação. Aplicar esses conhecimentos na resolução de um problema prático.

Conteúdos programáticos:

1- Investigação e Ciência.
2 - Problemas, Teorias e Hipóteses.
3 - A formulação de hipóteses.
4 - A noção de variável, tipos de variáveis e escalas de medida.
5 - Variáveis dependentes e independentes.
6 - O Controlo das variáveis.
7 - O método experimental: validade e limites.
8 - O planeamento experimental.
9 - Organização e recolha de dados.
10 - A interpretação dos resultados
11 - Outros métodos de pesquisa: as técnicas de observação, inquéritos, entrevistas e estudo de caso.
12 - Organização de estudos transversais, longitudinais e mistos. Adequação da metodologia ao problema.
13 - A apresentação de um estudo. Relatórios e monografias.
14 - Normas de elaboração de documentos científicos e de elaboração de bibliografia.
15-Realizar um projecto de investigação

Demonstração da coerência dos conteúdos programáticos com os objetivos de aprendizagem da unidade curricular:

Fornecer conceitos teóricos sobre a implementação de um projecto de investigação.
Numa primeira fase, e em sala de aula será ministrado aos alunos conhecimentos teóricos sobre os paradigmas em que assenta um trabalho de investigação. Com este objectivo pretende-se dotar os alunos de competências teóricas para elaborar o seu próprio projecto de investigação que levará futuramente à realização de um artigo.
Todos os parâmetros de implementação de um projecto de investigação serão discutidos. Do título às formas de citação bibliográfica conforme as regras de Vancouver, passando pela revisão bibliográfica, objectivos, material e métodos, discussão e conclusão. Definir um projecto de investigação onde o aluno aplicará os conhecimentos e as competencias adquiridas de forma racional e proficiente.

Metodologias de ensino (avaliação incluída):

Sessões teóricas e práticas. Ensinar a saber fazer. Esta unidade curricular tem como base de avaliação o desempenho do aluno na aquisição das competências e este processo de avaliação passa pela escrita de um texto em forma de artigo científico que permite aferir da sua capacidade o desenho e execução do projecto de investigação sobre o qual incide a avaliação desta Unidade Curricular.

Demonstração da coerência das metodologias de ensino com os objetivos de aprendizagem da unidade curricular:

ompetências principais:
- Conhecer modelo (s) de implementação de um Projecto de Investigação.
- Apresentar tipos de estudos epidemiológicos e processos de implementação dos mesmos.
Competências Específicas:
Saber rever literatura
a) Revisão da literatura - Em sala de aula saber utilizar artigos e simular situações conducentes quer ao desenho da sua pesquisa quer às especificidades e formalidades de escrita deste tipo de literatura.
Saber definir objectivos
b) Definição de objectivos – Em sessão de apresentação são enunciados e discutidos os objectivos dos trabalhos a implementar: Porquê, Para quê, Com que utilidade? O que vai trazer de novo?
Saber definir Materiais e Métodos
c) Definição de Materiais e Métodos – Verificar, como foi definida a população, amostra, espaço temporal, equipamento (s) e referência às casas comerciais.
Saber definir Resultados
d)Definição dos Resultados – Verificar se a apresentação está conforme os requisitos, exigidos na apresentação dos mesmos tendo em conta as qualidades da síntese e da concisão.
Ser capaz de definir a Discussão
e) Definição da Discussão – Verificar se o aluno domina os conceitos e a técnica de escrita; se é capaz de realizar o enquadramento dos seus dados relacionando-os com a literatura científica consultada; se reconhece falhas e se propõe sugestões.

Bibliografia:

Serrano, Pedro. Redacção e apresentação de trabalhos científicos, Lisboa: Relógio de Àgua; 2004.
Frada, João José Cúcio. Guia prático para elaboração e apresentação de trabalhos científicos. 6ªed. Lisboa: Edições Cosmos 1996.
Azevedo, Carlos; Azevedo Ana. Metodologia Científica. Porto: Edição do autor; 1994.